ONU investiga denúncias de estupros e assassinatos contra etnia no Quirguistão

Confrontos no sul do Quirguistão seguem sem controle e milhares de pessoas da etnia usbeque buscam refúgio

BBC Brasil |

selo

 A ONU está investigando denúncias de assassinatos e estupros sistemáticos contra a população de origem usbeque no sul do Quirguistão. Dezenas de milhares de pessoas da etnia usbeque tiveram que deixar suas casas desde que a violência étnica explodiu na região próxima à fronteira com o Usbequistão, na sexta-feira.

A população de etnia usbeque acusa gangues de quirguizes de atear fogo em casas e matar moradores de origem usbeque nas cidades de Osh e Jalalabad, no sul do país. Testemunhas nessas cidades contaram ter vistos filas de casas queimadas e corpos jogados nas ruas.

A comissária de Direitos Humanos da ONU, Navi Pillay, disse que há provas de assassinatos indiscriminados – inclusive de crianças – e de estupros. O porta-voz da comissária de Direitos Humanos da ONU, Rupert Colville, disse à BBC que há indicações de que estupros e assassinatos teriam sido planejados.

“Temos informações de que não é acidental, têm sido orquestrados, têm um alvo, foram planejados... não podemos provar isso ainda neste estágio, mas esta parece ser a indicação – o que é particularmente repreensível, dado que a região é altamente inflamável".

Segundo as autoridades, 170 pessoas foram mortas desde sexta-feira. A população usbeque, no entanto, afirma que o número é mais alto e está fazendo sua própria contagem.

A correspondente da BBC em Osh, Rayhan Demytrie, disse que há informações de que houve novos choques durante a noite, e de que não há sinais de que a violência esteja prestes a terminar.

Refugiados usbeques afirmam que veículos blindados passaram pelos bairros usbeques de Osh atirando contra civis e abrindo o caminho para as gangues que vinham atrás.

Corredor humanitário

O subsecretário-geral da ONU para Assuntos Políticos, Lynn Pascoe, disse que o governo do Quirguistão precisa estabelecer um corredor humanitário para levar ajuda às pessoas afetadas pela violência étnica. Pascoe afirmou que também é preciso ajudar o governo do Usbequistão para que o país possa lidar com o fluxo de refugiados.

Segundo a Cruz Vermelha Internacional, cerca de 95 mil quirguizes de origem usbeque atravessaram a fronteira para o Usbequistão nos últimos dias, fugindo dos confrontos. Há informações de que dezenas de milhares permanecem na fronteira, entre eles muitas mulheres e crianças.

O governo interino do Quirguistão, que chegou ao poder depois que violentos protestos derrubaram o governo anterior, responsabilizou os simpatizantes do presidente derrubado, Kurmanbek Bakiyev, pelos confrontos.

Bakiyev, que vive no exílio em Belarus, ainda conta com amplo apoio no sul do Quirguistão, mas nega estar envolvido.

Corpos nas ruas

Pascoe informou ao Conselho de Segurança da ONU sobre a situação e disse a jornalistas que havia reforçado a necessidade de “levar algo para lá imediatamente”.

“Os refugiados – se eles conseguirem atravessar a fronteira – também são grande fonte de preocupação para nós”, disse ele. “O que estamos tentando é prestar assistência suficiente (ao Usbequistão) para que eles possam se sentir confortáveis com o fluxo de refugiados chegando ao país", disse.

A população de origem usbeque corresponde a cerca de 15% da população de 5,5 milhões de pessoas do Quirguistão.

A colcha de retalhos de grupos étnicos da Ásia central, que competem pela riqueza e recursos em países controlados por rivais, foi descrita por oficiais da ONU como “altamente inflamável”.

Eles afirmam que a violência – a pior vista na região desde os tempos soviéticos, vinte anos atrás – precisa ser interrompida imediatamente, ou poderia se espalhar para outros países.

    Leia tudo sobre: Quirguistãoconflito étnicoviolência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG