ONU declara crise de fome em partes da Somália

Segundo Nações Unidas, situação é crítica no sul do país, atingido por pior seca em mais de 50 anos

BBC Brasil |

selo

As Nações Unidas declararam crise de fome nas regiões de Bakool e Baixa Shabelle, no sul da Somália. Segundo a ONU, dezenas de milhares de pessoas morreram de causas relacionadas à desnutrição no país, que enfrenta a pior seca em mais de 50 anos.

"Secas consecutivas afetaram o país nos últimos anos, enquanto o conflito em andamento tornou extremamente difícil a operação das agências e seu acesso ao sul do país", dizia a declaração da ONU.

AFP
Mãe segura filho desnutrido em hospital de Mogadíscio, na Somália

Grande parte do sul da Somália é controlada por rebeldes islâmicos do grupo Al-Shabab, afiliado à Al-Qaeda, que proibiu o envio de ajuda humanitária à região dois anos atrás.

A proibição foi parcialmente suspensa este mês, permitindo que agências pudessem entregar suprimentos à população, mas a ONU e os Estados Unidos dizem que os grupos armados ainda precisam dar garantias de segurança aos funcionários para que a ajuda chegue a todos aqueles que precisam.

"Temos uma presença mínima e fazemos visitas regulares ao país, mas precisamos de um acesso significativamente maior do que temos no momento para lidar com uma emergência deste nível", disse o porta-voz da agência para refugiados da ONU Adrian Edwards.

Desnutrição e morte

A crise de fome ocorre quando dois adultos ou quatro crianças por grupo de 10 mil pessoas morrem de fome a cada dia e 30% das crianças são seriamente desnutridas, situação que poderia ser vista hoje nas regiões somalis de Bakool e Baixa Shabelle. As estimativas indicam que cerca de 10 milhões de pessoas no Leste da África foram afetadas pela seca, que levou dezenas de milhares de somalis a tentar fugir para Quênia e Etiópia.

"Se não agirmos agora, a crise de fome vai se espalhar para todas as oito regiões do sul da Somália nos próximos dois meses, devido a colheitas ruins e a epidemias de doenças infecciosas", disse o coordenador de ajuda humanitária para a Somália, Mark Bowden.

    Leia tudo sobre: somáliafomeonu

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG