Obama e Netanayahu se reúnem nesta terça em Washington

Encontro ocorre em meio a atividades que aparentemente mostram boa vontade de Israel em relaxar bloqueio a Gaza

BBC Brasil |

selo

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, deve se reunir com o presidente americano, Barack Obama, em Washington, nesta terça-feira, um dia depois de anunciar os detalhes do seu plano de relaxamento ao bloqueio à Faixa de Gaza .

A expectativa é de que os líderes discutam uma série de questões, entre elas o programa nuclear do Irã e a retomada das conversações de paz entre israelenses e palestinos.

Na segunda-feira, o governo de Israel anunciou que todos os bens de consumo terão sua entrada permitida na Faixa de Gaza, mas que materiais de construção, armas e munição continuam proibidos. As exportações da Faixa de Gaza também continuam proibidas. Até agora, apenas certos alimentos e remédios básicos podiam ingressar livremente no território.

O grupo palestino islâmico Hamas, que controla a Faixa de Gaza desde 2007, quando foi iniciado o bloqueio, afirmou que as concessões são inúteis e que o bloqueio deveria ser suspenso.

Empresários locais e ativistas também disseram que as medidas não são suficientes. Israel alega que o bloqueio ao território palestino é necessário para evitar o envio de armas para o Hamas.

Pressão

A pressão internacional para que Israel suspendesse o bloqueio ao território aumentou depois que nove ativistas foram mortos em uma ação militar israelense no último dia 31 de maio contra um barco que tentava levar suprimentos para Gaza.

O enviado especial do Quarteto (Estados Unidos, ONU, União Europeia e Rússia) para o Oriente Médio, Tony Blair, disse à BBC acreditar que a condenação internacional que sucedeu a ação militar contribuiu para o relaxamento do bloqueio.

"Acredito ser verdade que o governo israelense já caminhava em direção a uma política diferente mas, claro, o que aconteceu acelerou imensamente esta ideia", disse ele.

Segundo o editor da BBC para o Oriente Médio, Jeremy Bowen, Obama e Netanyahu tem vários assuntos importantes a discutir: os próximos passos na campanha contra o programa nuclear do Irã, a mudança de cenário político no Oriente Médio, em particular as recentes diferenças entre Turquia e Israel, e como estabelecer um processo de paz com credibilidade junto com os palestinos.

Os palestinos interromperam as negociações de paz diretas depois que Israel lançou uma ofensiva militar contra Gaza em 2008.

O início de negociações indiretas em março deste ano foi suspenso depois que autoridades municipais israelenses aprovaram os planos de construção de novas casas em um assentamento judaico em Jerusalém Oriental, onde os palestinos planejam estabelecer a capital de um futuro Estado.

Nesta nova fase de conversações, o enviado de Barack Obama para o Oriente Médio, George Mitchell, deve participar de encontros com lideranças palestinas e israelenses, em uma tentativa de aproximar os dois lados.

Na última visita de Netanyahu à Casa Branca, realizada no momento em que Israel anunciou a ampliação do assentamento em Jerusalém Oriental, Obama se recusou a permitir que uma foto do encontro de ambos fosse divulgada.

Segundo o editor da BBC para o Oriente Médio, os dois lados esperam que dessa vez a atmosfera do encontro seja muito melhor.

Para Bowen, Obama - ao contrário de seu antecessor, George W. Bush - parece estar preparado para aceitar que algumas das ações de Israel são parte dos problemas no Oriente Médio, e isso causa irritação - e nervosismo - no lado israelense.

    Leia tudo sobre: IsraelFaixa de GazaEstados Unidos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG