Obama diz que sanções são mensagem inequívoca ao Irã

Presidente diz que resolução da ONU mostra "comprometimento da comunidade internacional" em interromper proliferação nuclear

BBC Brasil |

selo

AFP
Obama comenta sanções contra o Irã
O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse que a resolução aprovada nesta quarta-feira pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas vai colocar em prática as "mais duras sanções" já impostas ao governo iraniano e envia "uma mensagem inequívoca".

"Hoje o Conselho de Segurança das Nações Unidas votou esmagadoramente a favor de sancionar o Irã por seu contínuo fracasso em cumprir suas obrigações", disse Obama, na Casa Branca, logo após a divulgação do resultado da reunião da ONU.

"Essa resolução irá colocar em prática as mais duras sanções já enfrentadas pelo governo iraniano e envia uma mensagem inequívoca sobre o comprometimento da comunidade internacional em interromper a proliferação de armas nucleares."

A aprovação das sanções, porém, não foi unânime. Brasil e Turquia, que têm vagas rotativas no Conselho de Segurança, sem direito a veto, votaram contra. O Líbano se absteve.

União

Ao comentar o resultado da votação, Obama disse que a resolução teve "forte apoio internacional". "Ao votar pela resolução nós fomos acompanhados de nações da Ásia, da África, da Europa e da América Latina, incluindo a Rússia e a China", disse o presidente americano.

"E essas sanções mostram a visão unificada da comunidade internacional de que uma corrida nuclear no Oriente Médio não é do interesse de ninguém e que as nações devem ser responsabilizadas por desafiar o regime global de não-proliferação", afirmou Obama.

Segundo analistas, o fato de nem todos os países do Conselho de Segurança terem votado a favor das sanções prejudicou a ideia de união que os Estados Unidos desejavam transmitir.

"O fato de o Brasil e a Turquia não apoiarem prejudica o desejo dos Estados Unidos de mostrar que o mundo está unido em torno dessa questão", disse à BBC Brasil o jornalista e pesquisador Douglas Farah, do International Assessment and Strategy Center.

Diplomacia

Ao manifestar seu voto na reunião do Conselho de Segurança, a embaixadora brasileira na ONU, Maria Luiza Ribeiro Viotti, disse que as sanções "vão contra os esforços do Brasil e da Turquia para engajar o Irã em uma solução negociada para o seu programa nuclear".

Entretanto, em seu pronunciamento em Washington, Obama voltou a dizer que as sanções não excluem o caminho da diplomacia. "Essas sanções não fecham a porta para a diplomacia. O Irã continua a ter a oportunidade de seguir por diferentes e melhores caminhos", disse o presidente.

"Não há nada que eu queira mais do que chegar ao dia em que o governo iraniano cumpra suas obrigações internacionais. Um dia em que essas sanções sejam suspensas, as sanções anteriores sejam suspensas, e o povo iraniano possa finalmente realizar a grandeza da nação iraniana", afirmou. "Na verdade, essas sanções não são direcionadas ao povo iraniano."

Obama disse ainda que os Estados Unidos vão garantir que as sanções sejam "cumpridas rigorosamente".

    Leia tudo sobre: obamaeuairãonusanções

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG