Nuvem de cinzas causa transtornos na costa oeste da Austrália

Desde domingo, quando cinzas de vulcão Puyehue chegaram à Oceania, 700 voos foram cancelados, prejudicando 100 mil passageiros

BBC Brasil |

selo

Uma nuvem formada por cinzas expelidas pelo vulcão chileno Puyehue afeta nesta quarta-feira voos na costa oeste da Austrália, a mais de 9 mil quilômetros de distância do vulcão. Todos os voos que chegam e saem da cidade de Perth estão cancelados pelo menos pelas próximas 24 horas.

De acordo com especialistas, a nuvem de cinzas está localizada entre 15 mil pés e 35 mil pés (4,5 mil metros e 10,5 mil metros), a altitude cruzeiro dos voos, e é tão espessa que chega a dificultar a visibilidade dos pilotos e coloca em risco a segurança das operações.

Cautela

Segundo Andrew Tupper, chefe do Centro de Informação sobre Cinzas Vulcânicas (Volcanic Ash Advisory Centre) de Darwin, na Austrália, apesar do prejuízo financeiro para as empresas aéreas e da inconveniência para os passageiros, é importante garantir a segurança dos voos. "A nuvem de cinzas é extremamente perigosa para as turbinas. Além de poder suspender seu funcionamento completamente, pode causar a erosão de diversos componentes das aeronaves, incluindo os sistemas elétricos", disse à BBC Brasil.

Só nesta quarta-feira, 80 voos domésticos e internacionais foram cancelados em Perth. Durante todo dia, o aeroporto da cidade esteve lotado de passageiros em busca de informações ou tentando embarcar para outras cidades australianas.

Do lado de fora do aeroporto, a fila de espera por táxis para voltar para casa era longa. Já nos aeroportos da costa leste, como em Melbourne ou Sydney, o tráfego aéreo é praticamente normal.

Operação de emergência

As 17 empresas aéreas que operam voos internacionais a partir de Perth também decidiram suspender as operações até a situação melhorar. A australiana Qantas voltou a cancelar os voos para Buenos Aires e ainda não está voando para a Nova Zelândia e para a Tasmânia, assim como a companhia Jet Star.

Já a Virgin Blue decidiu contornar a nuvem de cinzas e retomar os voos entre Austrália, Tasmânia e Nova Zelândia. O serviço de transporte de pacientes, em Perth, precisa levar um bebê de 3 meses para fazer uma operação de emergência no Royal Children's Hospital, em Melbourne, mas os pilotos terão de aguardar até quinta-feira para tentar decolar com o Learjet. Eles já elaboraram um plano de voo alternativo, passando por baixo da nuvem de cinzas.

Por causa disso, eles terão de fazer uma escala na cidade de Kalgoorlie, no meio do caminho, para reabastecer o jatinho, já que os voos em baixa altitude gastam mais combustível. O bebê corre risco de morrer se não fizer a cirurgia. Desde domingo, quando a nuvem de cinzas do vulcão Puyehue chegou à Oceania , 700 voos foram cancelados na região, prejudicando mais de 100 mil passageiros.

    Leia tudo sobre: chilevulcãovulcão Puyehuenova zelândiaaustrália

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG