Movimento conservador Tea Party ganha espaço nos EUA

O movimento garantiu várias vitórias nas primárias e pode prejudicar as chances republicanas nas eleições de novembro

BBC Brasil |

selo

O movimento conservador Tea Party garantiu várias vitórias sobre os republicanos tradicionais nas primárias das eleições que acontecem em novembro nos Estados Unidos. 

O Tea Party surgiu no ano passado, na forma de grupos locais e comunidades na internet em várias partes do país, e ganhou notoriedade quando seus integrantes organizaram protestos em massa contra a reforma do sistema de saúde proposta pelo governo do presidente Barack Obama.

AFP
A candidada ao Senado dos EUA Christine O

Agora, candidatos apoiados pelo movimento ganharam as indicações para concorrer a vagas no Congresso e a cargos de governador, derrotando republicanos com anos de carreira política e que contavam com o apoio do partido.

Em Delaware, por exemplo, a candidata Christine O'Donnell, do Tea Party, derrotou o congressista Mike Castle pela indicação republicana ao Senado. Ela contou com o apoio de Sarah Palin, que foi candidata à vice-presidência pelo Partido Republicano em 2008 .

O'Donnell vai agora competir com o democrata Chris Coons pela vaga no Senado que era ocupada pelo vice-presidente Joe Biden. Antes da divulgação dos resultados das primárias, o Partido Republicano havia alertado que não financiaria a campanha da candidata caso ela vencesse.

Um candidato do Tea Party, Carl Paladino, também conseguiu a indicação para concorrer ao cargo de governador de Nova York, derrotando o candidato escolhido pelo partido, Rick Lazio.

Termômetro

As primárias que acontecem em sete Estados americanos e na capital, Washington, são vistas como um indicador do clima dentro dos partidos. Os republicanos esperam se beneficiar da insatisfação da população com a situação econômica do país para ganhar a maioria no Congresso em novembro, mas analistas dizem que o Tea Party está desequilibrando o Partido Republicano e já teve um efeito considerável na escolha dos candidatos apoiados pelo partido para as primárias.

Segundo os especialistas, o crescimento do Tea Party pode até impedir que os republicanos alcancem a maioria no Senado, já que O'Donnell teria poucas chances de derrotar o candidato democrata em Delaware no pleito de novembro.

    Leia tudo sobre: euarepublicanostea partydemocrataseleiçãoobama

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG