Ministro do Sul do Sudão é morto por motorista

Assassinato teria sido motivado por razões pessoais e acontece dias após anúncio do resultado de referendo que dividirá país

BBC Brasil |

selo

Um ministro do governo do Sudão do Sul foi morto a tiros dentro do prédio do Ministério, em Juba, nesta quarta-feira.

O ministro de Cooperativas e Desenvolvimento Rural, Jimmy Lemi Milla, foi morto por um motorista do ministério, que também matou um segurança e se matou em seguida, segundo informações do Exército Popular de Libertação do Sudão (SPLM), o principal integrante do governo da região autônoma.

O incidente acontece apenas dias após o anúncio do resultado do referendo que decidiu que o Sudão do Sul se separará do Sudão para se tornar um novo país no dia 9 de julho deste ano.

Motivos pessoais

A razão do ataque ainda não está clara, mas integrantes do Movimento Popular pela Libertação do Sudão dizem que o motivo foi pessoal. De qualquer forma, o correspondente da BBC em Juba Peter Mardell diz que a população está chocada que algo deste tipo possa ter acontecido em um prédio do governo. O assassinato também abafou o clima de comemoração pelo resultado do referendo, segundo Mardell.

Milla foi um partidário do Norte do Sudão, mas mudou para o SPLM após o Amplo Acordo de Paz, assinado em 2005 para colocar fim a duas décadas de guerra civil.

Separação

O resultado final do referendo sobre a separação entre norte e sul do Sudão, divulgado na segunda-feira, mostrou que 98,83% dos eleitores votaram pela criação de um novo país no sul.

Na capital sudanesa, Cartum, autoridades do país revelaram que, dos 3.837.406 votos válidos, apenas 44.888 votos, ou 1,17%, foram a favor de manter a unidade sudanesa. A votação, realizada em janeiro, estava prevista no acordo de paz entre as duas regiões firmado em 2005.

Presidente

O resultado do referendo ocorrido em janeiro foi divulgado horas depois de o presidente sudanês, Omar Al-Bashir, afirmar que aceitaria a vitória do voto pela independência do sul. "Este é um dos dias mais cruciais para o Sudão. Gostaríamos de parabenizar a população do Sul do Sudão por sua escolha", disse o presidente sudanês.

O líder do Sudão do Sul, Salva Kiir, também prometeu colaborar com Cartum no futuro, afirmando que "muitas coisas unem o sul e o norte". "A liberdade do sul não é o fim da história porque não podemos ser inimigos. Precisamos construir laços fortes", disse Kiir, que também ocupa o posto de vice-presidente sudanês.

Celebração

O sul e o norte já se enfrentaram em duas guerras civis (de 1955-72 e de 1983-2005), nas quais estima-se que mais de 2 milhões de pessoas tenham morrido. O sul se considera diferente do norte em cultura, religião e etnia, e acredita ter sofrido anos de discriminação.

James Copnall, correspondente da BBC na capital sudanesa, Cartum, diz que assuntos como a disputa pela região de Abyei, na fronteira, a cidadania e recursos como o petróleo terão de ser negociados. Apesar de ser rico em petróleo, o Sudão do Sul é uma das regiões menos desenvolvidas do planeta, e a tensão com o norte pode trazer ameaças para a segurança.

Arte/ iG
O Sudão é o terceiro maior produtor de petróleo da África Subsaariana

    Leia tudo sobre: sudãoassassinatosul do sudãoáfrica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG