Milhares de estudantes voltam a protestar em Londres

Jovens britânicos rejeitam aumento nas taxas anuais de empréstimos estudantis cobradas pelas universidades da Inglaterra

BBC Brasil |

selo

Milhares de estudantes voltaram às ruas do centro de Londres nesta quarta-feira em mais uma onda de protestos contra um aumento nas taxas anuais de empréstimos estudantis cobradas pelas universidades da Inglaterra. Policiais tentam conter os estudantes, e uma van da polícia foi cercada e atacada. A polícia já alertou que fará prisões caso os protestos fiquem mais violentos.

AP
Estudantes atacam van de polícia durante protesto contra aumento de taxas de universidade em Westminster, centro de Londres
Os estudantes britânicos ocuparam universidades em Plymouth, Birmingham, Londres e Bristol. Marchas e outros protestos também estão acontecendo em universidades e colégios em Manchester, Liverpool, Sheffield, Oxford, Cambridge, Leeds, Newcastle e em várias cidades da Escócia.

Em um pronunciamento antes dos protestos, o vice-primeiro-ministro Nick Clegg pediu que os estudantes voltassem a analisar os planos de aumento dos empréstimos estudantis antes de participar das manifestações. "Examinem nossas propostas antes de tomar as ruas. Escutem e analisem antes de marchar e gritar", pediu Clegg.

O plano do governo é cortar o orçamento para a educação superior em até 40% e eliminar as bolsas para professores, salvo as de ciência e matemática. Outros custos devem passar a ser financiados pelo aumento nas taxas dos empréstimos estudantis, que seriam elevadas a partir de 2012.

O piso das anuidades dos empréstimos passaria de 3.290 libras (R$ 8,9 mil) para 6 mil libras, e algumas universidades poderiam cobrar até 9 mil libras em "circunstâncias excepcionais" - se oferecem, por exemplo, bolsas e programas que incentivem estudantes mais pobres a cursá-las. Segundo autoridades, o novo sistema é mais "justo". O empréstimo de anuidade poderá ser quitado quando o formando ganhar um salário anual a partir de 21 mil libras.

Partido Conservador

Depois de se reunir em Trafalgar Square, no centro da capital britânica, os estudantes marcharam em frente à residência do primeiro-ministro, em Downing Street. Logo em seguida, a polícia conseguiu conter o protesto, antes que os estudantes chegassem à praça em frente do Parlamento.

Um outro protesto de estudantes em Londres, há duas semanas, acabou com um ataque à sede do Partido Conservador (governista). Até agora foram feitas 65 prisões relacionadas ao incidente.

AP
Estudantes entram em confronto com polícia por aumento de cobranças universitárias em Westminster, Londres
Nesta quarta-feira os manifestantes planejam se reunir em frente da sede do Partido Liberal Democrata, de Clegg, cujos líderes se transformaram em alvo dos estudantes. Os manifestantes acusaram os parlamentares do partido de não cumprir a promessa de votar contra o aumento nos empréstimos estudantis.

Os protestos não foram organizados pela União Nacional de Estudantes e, por causa disso, não se sabe qual será o padrão das manifestações. Os estudantes prometeram apenas um "carnaval de resistência", com música e discursos.

"Temos o direito de protestar, temos o direito à desobediência civil, temos o direito de ocupar nossas salas de aula", disse Mark Bergfeld, porta-voz da organização Rede de Ativistas pela Educação, um dos grupos organizadores dos protestos.

    Leia tudo sobre: grã-bretanhanick cleggprotesto estudantilanuidade

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG