Karzai quer tropas afegãs controlando o país até 2014

Maior reunião sobre Afeganistão em três décadas estabelece que forças afegãs assumam algumas áreas do país até fim deste ano

BBC Brasil |

selo

O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, abriu uma conferência internacional em Cabul nesta terça-feira dizendo que as forças afegãs deverão ser as únicas responsáveis pelo controle da segurança do país até 2014. Karzai admitiu que o Afeganistão ainda não chegou a um estágio de boa governança, acrescentando que seus aliados enfrentam "um inimigo comum cruel". Ele falava a representantes de 70 países na maior reunião sobre ajuda ao Afeganistão em três décadas.

Os Estados Unidos e seus aliados querem garantias de Karzai de que ele vai combater a corrupção e promover a boa governança. Segundo a agência de notícias Reuters, o comunicado final do encontro estabelece que as forças afegãs deverão assumir a responsabilidade em algumas áreas do país até o fim deste ano.

AFP
Presidente afegão, Hamid Karzai, e secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, durante Conferência Internacional sobre o Afeganistão em Cabul
"As Forças Nacionais de Segurança Afegãs (ANSF, na sigla em inglês) deverão liderar e conduzir as operações militares em todas as províncias até o fim de 2014", afirma o comunicado, segundo a Reuters. Segundo analistas, como os insurgentes ainda controlam várias áreas do Afeganistão, os objetivos de segurança de Karzai são muito ambiciosos.

Controle

Karzai pediu à comunidade internacional que aumente em 50% a proporção da ajuda estrangeira em dinheiro que chega ao governo afegão. Descrevendo a conferência como um "marco na parceria internacional que se aprofunda", Karzai afirmou em seu discurso de abertura: "Enfrentamos um inimigo comum cruel que viola todas as normas islâmicas e internacionais para tentar romper nossa união de esforços". "Eles gostariam de criar incertezas e levar nosso povo a duvidar sobretudo de nossa determinação e do poder de nosso Estado."

Karzai ainda pediu que o país passe a ter maior controle sobre a ajuda multibilionária que é enviada ao Afeganistão. Atualmente, apenas cerca de 20% dessa ajuda é distribuída pelo governo afegão. Em troca, forças afegãs tentariam assumir a liderança das operações de segurança do país até 2014, disse ele. Um painel avaliaria quais das 34 províncias estão prontas para que as forças afegãs assumam o controle da segurança a partir do ano que vem.

Falando depois do presidente afegão, a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, afirmou que os Estados Unidos vão acelerar o processo de devolver o controle da segurança aos policiais e militares afegãos a partir de julho de 2011. "A data de julho de 2011 captura tanto nosso senso de urgência como a força de nossa resolução", afirmou. "O processo de transição é muito importante para ser adiado indefinidamente... Mas essa data é o início de uma nova fase, não o fim de nosso envolvimento."

Segundo Hillary, ao compromisso militar americano no Afeganistão corresponderá o que ela chamou de um movimento civil sem precedentes para o desenvolvimento econômico. Na segunda-feira, Hillary disse que Washington estava "pressionando o governo afegão em todos os níveis para que assumisse mais responsabilidades e fosse mais efetivo no combate à corrupção". Ela ainda advertiu Cabul contra tentativas de firmar um acordo de paz com o Taleban, a al-Qaeda e outros grupos militantes que os Estados Unidos consideram irreconciliáveis. O Taleban insiste que vai continuar lutando até que todas as forças estrangeiras deixem o país.

Pressão americana pela responsabilidade

Para permitir a retirada de cerca de 150 mil soldados das Forças da Otan do Afeganistão, Karzai propôs aumentar o Exército afegão para 170 mil soldados e o contingente policial para 134 mil homens até outubro do ano que vem. Até 36 mil ex-militantes seriam integrados às forças de segurança.

Alguns analistas, no entanto, sugerem que ainda assim as forças afegãs seriam pequenas e pouco qualificadas para garantir a segurança. A Otan tem um sistema claro de marcação para avaliar a capacidade das unidades militares que vai de um a quatro, sendo que quatro corresponde à habilidade de operar independentemente de apoio internacional. Thomas Johnson, um conselheiro do governo americano no Afeganistão, disse à BBC que praticamente nenhuma unidade do Exército afegão recebeu nota quatro.

Críticos também questionam a proposta de aumentar a proporção de ajuda que vai diretamente para o governo afegão, principalmente depois das recentes revelações de que a construção de grandes mansões em Dubai foi financiada por dinheiro desviado da ajuda recebida pelo Afeganistão.

O secretário-geral da ONU Ban Ki-moon, que está presidindo a conferência junto a Karzai, disse que os programas de ajuda precisam ser "bem coordenados e transparentes". Mais cedo, Ban pediu ao presidente afegão que produza "um plano de ação concreto" e "faça mais pela boa governança, em particular lutando contra práticas corruptas".

Antes da conferência, a segurança foi reforçada na capital afegã, com várias barreiras policiais sendo erguidas durante a noite. Na noite de segunda-feira, foram ouvidas várias explosões perto da região onde ficam departamentos do governo e embaixadas, provavelmente causadas por foguetes.

Nos últimos meses, Cabul foi alvo de vários atentados suicidas. No mês passado, uma reunião nacional de paz foi atacada com foguetes durante a abertura do presidente Hamid Karzai. O ministro do Interior e o chefe do serviço de inteligência renunciaram pouco depois.

'Plano concreto de ação'

O Afeganistão recebeu US$ 36 bilhões em ajuda estrangeira - cerca de US$ 1,2 mil por habitante - desde 2001, mas apenas uma pequena parte desse dinheiro teve algum impacto, afirma o especialista em desenvolvimento internacional da BBC David Loyn.

Segundo o Banco Mundial, grande parte dessa ajuda foi gasta em segurança, com pagamentos de "um serviço civil alternativo", com a contratação de consultores estrangeiros altamente bem remunerados que operam fora do Afeganistão, e muito pouco foi usado na reconstrução da capacidade do Afeganistão de governar a si próprio.

Apesar de essa não ser uma conferência de doadores, novas promessas de ajuda foram feitas nos dias que antecederam à reunião, com o ministro do Exterior britânico, William Hague, afirmando que seu país planeja aumentar sua contribuição para o Afeganistão em 40%.

Hague disse que o dinheiro extra, com o objetivo de ajudar projetos de educação e criação de empregos, contribuiria também para os esforços militares. Analistas acreditam que o significado real da conferência está na tentativa de manter a comunidade internacional envolvida no Afeganistão depois da decisão do presidente americano Barack Obama de começar a reduzir o número de tropas americanas no país a partir de julho do ano que vem.

    Leia tudo sobre: AfeganistãoTalebanEUAhamid karzaihillary clinton

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG