Karzai assume controle de órgão eleitoral e preocupa Ocidente

Diplomatas ocidentais expressaram preocupação com um decreto do presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, que dá ao chefe de Estado controle absoluto sobre a Comissão para Queixas Eleitorais do país (ECC, em inglês).

BBC Brasil |

A norma permite que Karzai indique todos os cinco membros do ECC - o órgão que ajudou a expor a grande incidência de fraudes nas eleições presidenciais do ano passado, forçando o atual presidente a disputar um segundo turno.

O decreto é aprovado em um momento em que forças lideradas pela Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) realizam uma grande operação contra o Taleban na Província de Helmand, no centro do país.

De acordo com o correspondente da BBC na capital afegã, Cabul, Chris Morris, o representante das Nações Unidas no Afeganistão, Kai Eide, tinha feito um acordo privado que previa que dois dos cinco membros da comissão seriam estrangeiros e um deles poderia ter poder de veto. Esses termos, contudo, não constam no novo decreto.

Eleições parlamentares

A ECC, que anteriormente incluía três especialistas estrangeiros indicados pelas Nações Unidas, vai desempenhar um papel vital nas eleições parlamentares, previstas para 18 de setembro.

Um representante de um governo ocidental no país questionou se a comunidade internacional estaria disposta a arcar com os custos de uma outra eleição que pode ter muitas irregularidades, disse Morris.

Em discurso no Parlamento no sábado, Karzai enumerou suas prioridades, que incluíam a reforma da estrutura da ECC.

O chefe de Estado afegão teria dito que limitaria "a interferência de outros" nas eleições parlamentares através da "afeganização" do processo eleitoral.

Karzai foi declarado vencedor das eleições presidenciais de agosto passado depois de um mês de investigações sobre fraude que paralisaram o país e atrasaram o envio de mais tropas da Otan para o combate aos insurgentes no país.

O presidente da ECC, que é canadense, e dois de seus colegas não afegãos lideraram as exigências por uma investigação de violação de urnas. Depois que o órgão descontou quase um milhão de votos para Karzai, ele concordou em disputar o segundo turno.

O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, foi declarado vencedor da eleição presidencial no país em novembro, após o cancelamento do segundo turno. O adversário de Karzai, Abdullah Abdullah, desistiu da disputa alegando que não havia "condições mínimas" para evitar fraudes.

Abdullah está em Paris e ainda deve fazer uma declaração a respeito do decreto que Karzai para controlar a ECC.

Violência

Nesta terça-feira ocorreu mais violência no Afeganistão. Pelo menos sete pessoas morreram quando uma bomba deixada em uma bicicleta perto de uma estação rodoviária na capital da província de Helmand, Lashkar Gah, explodiu.

E o comandante das forças da Otan, general Stanley McChrystal, pediu desculpas na TV afegã pela morte de 27 civis em um bombardeio aéreo realizado no domingo.

A iniciativa de McChrystal é um esforço para acalmar a crescente insatisfação no país com a morte de civis em ações da Otan.

Mais de 15 mil soldados afegãos e da Otan participam do 10º dia da Operação Moshtarak na Província de Helmand.

A missão tem o objetivo de conquistar apoio da opinião pública, levando ajuda e fortalecendo o governo local, em detrimento do Taleban.

Leia mais sobre Afeganistão

    Leia tudo sobre: afeganistão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG