Justiça britânica condena príncipe saudita por matar empregado

Príncipe foi acusado de ter 'prazer sádico' por agressões fatais; empregado foi encontrado morto em quarto de hotel

BBC Brasil |

selo


A Justiça britânica considerou culpado nesta terça-feira o príncipe saudita acusado de assassinar seu empregado em um hotel de luxo em Londres em fevereiro. Os jurados do caso entenderam que Saud Abdulaziz Bin Nasir Al-Saud agredia e abusava de seu empregado por satisfação pessoal e cometeu homicídio culposo (com intenção de matar).

A sentença deve ser divulgada na quarta-feira, e o príncipe pode pegar prisão perpétua. A vítima, Bandar Abdulaziz, também saudita, foi encontrada com marcas de agressão e estrangulamento no hotel Landmark, no bairro de Marylebone, no dia 15 de fevereiro deste ano.



Imagens das câmeras de segurança do hotel mostraram o momento em que o príncipe, sem razão aparente, agride seu funcionário de 34 anos, que apenas tenta se defender. Há também imagens gravadas dele chutando a vítima na saída de um restaurante.

'Elemento sexual'

Durante o julgamento, o príncipe admitiu ter matado o empregado, mas disse que não teve a intenção de cometer o homicídio. Segundo a promotoria, o empregado foi submetido a semanas de abusos físicos e psicológicos, e morreu na cama do quarto que os dois dividiam.

O príncipe disse à polícia que é filho de um sobrinho e de uma filha do rei saudita, Abdullah. Em seu país, ele pode enfrentar a pena de morte se ficar comprovado que ele tinha relações homossexuais com seu empregado, algo que o príncipe nega. Para a acusação, essa questão é importante porque, aparentemente, os maus-tratos contra Bandar não se restringiam apenas a espancamentos físicos, pois continham um elemento sexual.

O príncipe e seu empregado estavam hospedados no hotel em Londres desde o dia 20 de janeiro em férias prolongadas. Depois que o corpo de Abdulaziz foi encontrado, Saud disse à polícia que os dois tinham ficado no bar do hotel, bebendo, até tarde da noite, antes de retornar ao quarto.

Ao acordar, no meio da tarde, o príncipe disse ter tentado, sem sucesso, acordar o amigo. Segundo a promotoria, o príncipe tentou limpar algumas das manchas de sangue e lavar peças de roupa de Abdulaziz.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG