Juiz que quis extraditar Pinochet é suspenso na Espanha

Suspenso por suposto abuso de poder, Baltazar Garzón é acusado de abrir ilegalmente investigação sobre crimes do regime de Franco

BBC Brasil |

selo

AP
Juiz espanhol Baltazar Garzón deixa corte em Madri (14/04/2010)
O juiz espanhol Baltazar Garzón foi suspenso nesta sexta-feira pelo Conselho Geral do Judiciário da Espanha por suposto abuso de poder. Ele é acusado de abrir ilegalmente um inquérito, em 2008, para investigar crimes cometidos durante a Gurra Civil Espanhola (1936-1939) e a ditadura do general Francisco Franco (1939-1975).

Garzón se tornou mundialmente conhecido em 1998, quando pediu a extradição para a Espanha do ex-Augusto Pinochet, o que levou à prisão do ditador chileno durante uma visita a Londres. A decisão de suspender Garzón foi tomada por unanimidade pelo conselho. Ele agora deverá ir a julgamento pelo suposto abuso de poder.

O juiz foi forçado a abandonar as investigações sobre os crimes cometidos durante a Guerra Civil e os primeiros anos do regime de Franco. Esses crimes são cobertos, desde 1977, por uma lei de anistia na Espanha. Em fevereiro, a Suprema Corte da Espanha decidiu que Garzón ignorou a anistia ao lançar suas investigações.

Apelo

Garzón, de 54 anos, que é altamente popular entre a esquerda espanhola e entre os defensores internacionais dos direitos humanos, entrou com um recurso contra a decisão, dizendo que seu inquérito é legítimo. Mas alguns membros da direita espanhola acusam Garzón de abrir investigações por motivações políticas.

Dezenas de milhares de pessoas desapareceram durante a Guerra Civil espanhola e o posterior regime de Franco. No início da semana, Garzón teria pedido uma licença do trabalho na Justiça espanhola para trabalhar para o Tribunal Penal Internacional (TPI). Fontes judiciais na Corte Nacional Espanhola dizem que Garzón pretende trabalhar por sete meses como consultor do TPI.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG