Jovens entraram em confronto com a polícia pelo segundo dia nesta terça-feira em Nanterre, um subúrbio de Paris

selo

Policiais cercam rua em Nanterre, subúrbio de Paris, durante protestos
AFP
Policiais cercam rua em Nanterre, subúrbio de Paris, durante protestos

Jovens entraram em confronto com a polícia pelo segundo dia nesta terça-feira em Nanterre, um subúrbio de Paris.

Manifestantes quebraram vidraças e a polícia atirou bombas de gás lacrimogêneo contra a multidão.

Desde junho, já foram organizados seis dias de protestos contra as reformas no sistema previdenciário propostas pelo presidente Nicolas Sarkozy.

Na segunda-feira, pequenos grupos atearam fogo a carros e enfrentaram a polícia perto de escolas.

Em Le Mans, uma escola chegou a ser incendiada, mas não se sabe se o ataque tem relação com os protestos.

Mudanças

O Senado francês deve votar a lei da Previdência ainda nesta semana.

Entre as mudanças propostas estão a elevação da idade mínima para aposentadoria de 60 para 62 anos e de 65 para 67 anos a idade para o recebimento de aposentadoria pública total.

Na segunda-feira, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, afirmou que não abrirá mão da reforma, mesmo com a escalada dos protestos e com a ameaça de falta de combustível em todo o país por conta de bloqueios a refinarias.

"Essa reforma é essencial e a França irá implementá-la", disse Sarkozy. "Mas é perfeitamente normal que haja preocupação e oposição em relação a ela."

O projeto é considerado altamente impopular entre o público francês, e senadores de esquerda apresentaram centenas de emendas em uma tentativa de atrasar a votação.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.