Japão inicia racionamento de energia para evitar apagão pós-tsunami

Medida vale até setembro e é consequência dos danos às usinas nucleares causadas pela tragédia de 11 de março

BBC Brasil |

selo

O governo japonês deu início nesta sexta-feira à medida que restringe o consumo de energia elétrica das empresas que a utilizam em larga escala, na tentativa de evitar a escassez de energia no verão e, consequentemente, os apagões.

A limitação vale para o horário comercial, das 9h às 20h, de segunda a sexta-feira, e vai até meados de setembro. Quem violar a restrição intencionalmente terá de pagar multas que passam dos R$ 20 mil.

A decisão é consequência dos danos causados às usinas nucleares instaladas na região noroeste do arquipélago pelo terremoto seguido de tsunami no dia 11 de março deste ano. O duplo desastre afetou seriamente a produção de energia elétrica no país, onde 35 dos 54 reatores nucleares do Japão estão parados desde a tragédia.

AP
Funcionário da bolsa de valores de Tóquio passa por área de visitantes vazia após luz e ar condicionado serem desligados

Por isto, os grandes consumidores localizados nas áreas servidas pela Tokyo Electric Power Co (Tepco) e Tohoku Electric Power Co. são obrigados a reduzir o consumo de energia em 15% em relação ao verão do ano passado.

Mas o governo quer que a população em geral e as pequenas empresas também colaborem e economizem energia elétrica. "Nosso objetivo para os meses entre julho e setembro é reduzir o gasto com energia elétrica em 15% (em relação ao consumo do ano passado) independentemente de saber se o consumidor é um grande usuário, pequeno ou mesmo doméstico", disse à imprensa japonesa o secretário-chefe do gabinete, Yukio Edano.

Esta é a primeira vez que o governo do Japão impõe restrições ao consumo de energia para as grandes empresas desde a crise do petróleo, em 1974.

Cooperação

Apesar de a medida ter começado nesta segunda-feira, muitas empresas já vinham colaborando na economia de energia.

Nos principais prédios comerciais e de empresas de Tóquio, escadas rolantes, elevadores, letreiros e lâmpadas - em corredores e banheiros, por exemplo - ficam praticamente desligados o dia todo.

Nesta semana, muitas montadoras deram início ao esquema de folgas às quintas e sextas-feiras e trabalho normal aos sábados e domingos. "Esperamos poder contribuir com a recuperação da economia do Japão ao alcançar o equilíbrio entre economia de energia e produção de carros", disse à imprensa Toshiyuki Shiga, presidente da Associação Japonesa de Fabricantes de Veículos.

Empresas de autopeças e de componentes eletrônicos também começaram a trocar o turno da tarde pelo trabalho noturno, evitando assim o horário de pico no consumo de energia.

Outras companhias, como a fabricante de eletrônicos Sony, optaram por encurtar o horário de trabalho em uma hora. Os funcionários da Sony trabalharão até as 17h e, para forçá-los a deixar os escritórios, o ar-condicionado será desligado às 18h.

Já as operadoras das linhas de trem e de metrô na capital anunciaram redução na circulação de comboios durante o dia e aumento da frota nos primeiros horários da manhã, além de diminuir o uso do ar-condicionado nos vagões.

    Leia tudo sobre: japãoterremototsunamienergiacrise nuclearfukushima

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG