Israel tem capacidade para atacar o Irã, diz vice-primeiro-ministro

O vice-primeiro-ministro de Israel, Moshe Yaalon, afirmou nesta segunda-feira que, em caso de guerra, a Força Aérea israelense tem capacidade para atacar um país distante como o Irã. Yaalon, que também é ministro para Assuntos Estratégicos, fez o pronunciamento, considerado sem precedentes, durante uma conferência sobre os desafios da Força Aérea israelense nas próximas décadas.

BBC Brasil |

selo

"Não há dúvida de que a capacidade tecnológica (da Força Aérea israelense) melhorou nos últimos anos, aumentando a distância e as possibilidades de fornecimento de combustível (no ar)", afirmou Yaalon. "A tecnologia gerou uma melhora dramática da exatidão, do armamento e da capacidade de inteligência." "Podemos utilizar essa capacidade (da Força Aérea) na guerra contra o terror em Gaza, na guerra contra os foguetes no Líbano, na guerra contra o Exército sírio e também na guerra contra um país distante como o Irã." Essa foi a primeira vez que Yaalon utilizou o termo "guerra" no contexto do Irã. 'Guerra' Líderes israelenses já mencionaram anteriormente a possibilidade de um ataque ao Irã, mas nunca em uma linguagem tão direta. O primeiro-ministro, Binyamin Netanyahu, afirmou que o Irã estaria se preparando para cometer um "segundo Holocausto" e disse que "deve-se usar de todos os meios para impedir que isso aconteça". O ministro da Defesa, Ehud Barak, já disse que "não descarta nenhuma opção para impedir que o Irã tenha armamentos nucleares", e o chefe do Estado Maior, general Gabi Ashkenazi, mencionou a capacidade da Força Aérea de atacar "alvos distantes". Yaalon, que já foi chefe do Estado-Maior do Exército de Israel e é um dos ministros do "gabinete dos sete" - o fórum de ministros considerado mais importante do governo israelense -, chegou a declarar que Israel de fato "já se encontra em um confronto militar com o Irã", mencionando o conflito de Israel com o Hamas e o Hezbollah, organizações que Israel considera "extensões" do Irã. Os pronunciamentos sobre a possibilidade de que Israel venha a atacar o Irã levaram o presidente americano, Barack Obama, a enviar emissários especiais para convencer o governo israelense de que o caminho para impedir o desenvolvimento de um projeto nuclear iraniano para fins militares seria por intermédio de sanções. Entre os emissários de Obama que vieram a Israel especialmente para dissuadir o governo de tomar o caminho militar, os principais foram o chefe da CIA, Leon Panetta, e o chefe das Forças Armadas americanas, Mike Mullen.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG