Irlanda prende sete por plano para matar autor de charge de Maomé

Sete pessoas foram presas nesta terça-feira na Irlanda, suspeitas de envolvimento numa tentativa de assinar o cartunista sueco Lars Vilks, que publicou uma charge do profeta Maomé com o corpo de um cachorro.

BBC Brasil |

AP
Lars Vilks fala ao telefone em sua casa na Suécia

Lars Vilks fala ao telefone em sua casa na Suécia

Segundo a polícia, foram presos quatro homens e três mulheres, com idades entre 20 e cerca de 50 anos. A imprensa local afirma que todos seriam muçulmanos. A operação envolveu também investigadores americanos e de vários países europeus.

Militantes islâmicos prometeram uma recompensa de US$ 100 mil (R$ 178 mil) pelo assassinato do cartunista e US$ 50 mil (R$ 89 mil) adicionais se ele tivesse a garganta cortada. Outros US$ 50 mil foram oferecidos pela morte do editor do jornal sueco.

Liberdade de expressão

O islamismo proíbe qualquer reprodução da imagem de Maomé. As charges foram publicadas em 2007 no jornal sueco Nerikes Allehanda.

Na época, o governo sueco expressou preocupação de que a charge pudesse ser ofensiva a muçulmanos mas afirmou que, por respeito ao princípio de liberdade de expressão, não impediria a sua publicação.

As charges do sueco foram publicadas cerca de um ano e meio depois da publicação de outras charges do profeta Maomé, em um jornal dinamarquês, que causaram protestos em várias partes do mundo. Dezenas de pessoas morreram em protestos contra as charges publicadas na Dinamarca.

Leia mais sobre Maomé

    Leia tudo sobre: irlandamaomé

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG