Computador, que ainda não tem fabricante definido, tem como público alvo os estudantes indianos e poderá usar energia solar

selo

O governo da Índia mostrou na quinta-feira na capital, Nova Déli, o protótipo de um computador portátil parecido com o tablet da Apple, o iPad, com preço de apenas US$ 35 (quase R$ 62).

O novo computador ou tablet tem como público alvo os estudantes indianos, permite navegação na internet, vídeo conferências e vem com processador de texto, de acordo com os responsáveis pelo projeto.

O novo tablet foi desenvolvido pelas principais universidades de tecnologia da Índia. O dispositivo não tem disco rígido e, ao invés disso, usa um cartão de memória como um telefone celular, e poderá funcionar com energia solar.

O ministro do Desenvolvimento de Recursos Humanos da Índia, Kapil Sibal, afirmou que o governo está procurando um fabricante para o produto.

"(...) Agora convidamos indivíduos, empreendedores, firmas e indústrias para produzir o dispositivo a preços mais baratos do que este. Mostramos ao mundo que produzimos um dispositivo mais barato enquanto os preços dos computadores sobem", disse o ministro ao jornal indiano Economic Times.

Ao revelar o projeto, Sibal afirmou ao jornal que o laptop em formato de prancheta é a resposta indiana aos laptops de US$ 100 (cerca de 176) desenvolvidos pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT) nos Estados Unidos.

O projeto americano, de 2005, visava distribuir um laptop de US$ 100 para cada criança nos países em desenvolvimento, mas o dispositivo acabou custando o dobro do preço prometido.

Em maio, Nicholas Negroponte, do Media Lab do MIT, anunciou os planos de desenvolver um tablet básico de US$ 99 (R$ 175) por meio de sua organização sem fins lucrativos One Laptop Per Child.

Linux
O computador indiano vai custar apenas uma fração do preço do tablet iPad lançado pela Apple, que custa cerca de US$ 499 (mais de R$ 880).

O ministro indiano afirmou que o aparelho em formato de prancheta, que operaria com o sistema Linux, deve ser introduzido no ensino superior indiano a partir de 2011.

O plano do ministro é baixar ainda mais o preço do dispositivo, para US$ 20 (cerca de R$ 35) e até chegar aos US$ 10 (cerca de R$ 17).

O Ministério do Desenvolvimento de Recursos Humanos já lançou projetos de tecnologia mais barata no passado e foi alvo de críticas. Em 2009, o Ministério foi criticado depois de revelar que estava prestes a mostrar um protótipo de laptop de US$ 10, o que chamou a atenção da imprensa internacional.

No entanto, houve muita decepção quando o "Sakshat" foi mostrado à imprensa e era apenas o protótipo de um dispositivo parecido com um celular com um preço não especificado, cujo projeto nunca se materializou.

Mamta Varma, porta-voz do Ministério, afirmou que foi possível desenvolver o novo dispositivo devido a queda dos custos de hardware.

A porta-voz não citou nomes de companhias, mas afirmou que vários fabricantes de outros países, incluindo pelo menos um de Taiwan, já manifestaram interesse no novo dispositivo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.