Albanês de 33 anos com problemas psiquiátricos recebe prisão perpétua por atacar homem com faca perto de Oxford

selo

Jonathan Limani, condenado por decapitar gerente de restaurante
PA
Jonathan Limani, condenado por decapitar gerente de restaurante
Um ex-garçom com histórico de esquizofrenia foi condenado no Reino Unido à prisão perpétua após admitir ter decapitado o gerente. Jonathan Limani, de 33 anos, havia inicialmente negado a acusação, mas posteriormente admitiu o crime e alegou insanidade mental.

O corpo decapitado do gerente Christopher Varian, de 32 anos, foi encontrado por colegas do restaurante The Oxfordshire, perto da cidade de Oxford. Limani estava sentado próximo ao corpo.

Após ler a sentença no julgamento, finalizado nesta segunda-feira no tribunal criminal de Oxford, o juiz Anthony King afirmou que o assassino terá que cumprir ao menos 19 anos de prisão, mas poderá nunca ser libertado.

Limani, um albanês com passaporte sueco, tinha um longo histórico de problemas mentais e paranoia esquizofrênica e está internado para tratamento psiquiátrico. Ele também tinha uma condenação anterior na Suíça por tráfico de heroína.

'Catálogo de erros'

A família da vítima disse ainda ter dificuldades em lidar com a perda. "O fato de Chris ter sido morto por um cara que trabalhava para ele, e o fato de ele ter sido decapitado no local, é algo impossível de superar", afirmou o pai, Nigel Varian.

"Pouco após a hora do almoço, num momento de descanso, Chris saiu para fumar um cigarro do lado de fora e esse homem, Limani, o seguiu e o atacou com uma faca", relatou. "Parece que Chris não teve nem tempo de gritar. Quando ele já estava caído no chão, Limani o decapitou da maneira mais brutal possível", disse.

Segundo Nigel Varian, o relato do crime foi um "choque". "Esse foi provavelmente o aspecto mais chocante de todo o caso", afirmou.

Em um comunicado divulgado durante o julgamento, a família questionou como Limani poderia estar morando e trabalhando no Reino Unido e acusaram as autoridades por um "catálogo de erros".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.