Fundador do Wikileaks é procurado por estupro na Suécia

Site é responsável pela divulgação de documentos secretos do governo americano a respeito da guerra no Afeganistão

BBC Brasil |

selo

A Justiça sueca afirmou neste sábado ter emitido uma ordem de prisão contra o fundador do site Wikileaks, Julian Assange, por causa de uma acusação de estupro. O documento foi emitido na noite de sexta-feira, segundo a responsável pelo departamento de comunicações da promotoria do país, Karin Rosander.

Ela disse à BBC que a polícia sueca estaria tentando contactar Assange, sem sucesso até a manhã do sábado. No Twitter, Wikileaks cita Assange afirmando que as acusações não fariam sentido. A mensagem é atribuída diretamente a Assange e afirma que as alegações "parecem, no momento, profundamente perturbadoras".

Em outras mensagens publicadas no Twitter, Wikileaks afirma que "ninguém foi contactado pela polícia sueca". O site, responsável pela divulgação de dezenas de milhares de documentos secretos do governo americano a respeito da guerra no Afeganistão , disse ter sido alertado para a possibilidade de esperar "truques sujos".

O vazamento revelou detalhes até então desconhecidos do conflito, cobrindo o período entre 2004 e 2009, com informações sobre mortes não divulgadas de civis afegãos, bem como sobre operações sigilosas contra líderes do Talebã. O governo american criticou duramente o vazamento, afirmando que colocaria em risco a segurança do país.

    Leia tudo sobre: afeganistãodocumentosguerra

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG