Folga de piloto impediu uso de helicóptero contra norueguês, diz polícia

Polícia norueguesa recebeu críticas pela resposta demorada ao ataque de atirador na ilha de Utoya, na sexta-feira

BBC Brasil |

selo

Nenhum helicóptero foi usado na caçada ao homem acusado de atirar e matar 68 pessoas na ilha norueguesa de Utoya porque o piloto da aeronave estava de folga, afirmou nesta terça-feira a polícia da Noruega.

A polícia recebeu críticas pela demora na captura de Anders Behring Breivik, 32 anos, que confessou ser o autor das explosões que deixaram oito mortos na sede do governo, em Oslo, antes de seguir para ilha e abrir fogo contra jovens ligados ao Partido Trabalhista, totalizando 76 vítimas.

Segundo informações divulgadas pela mídia norueguesa, a polícia só soube do massacre na ilha quase uma hora depois de a matança ter começado. A escritora e ex-ministra da Justiça do país Anne Holt disse que a polícia tem muitas perguntas a responder em relação à resposta ao ataque na ilha de Utoya.

Vestido de policial, Breivik teria chegado à ilha perto de Oslo e disparado contra jovens que participavam de um acampamento do Partido Trabalhista, ao qual pertence o primeiro-ministro Jens Stoltenberg.

Os ataques, considerados os piores ocorridos na Noruega desde a Segunda Guerra Mundial , ocorreram na última sexta-feira, em meio às férias de verão, que costumam esvaziar a cidade de Oslo.

A imprensa norueguesa chegou a veicular que o governo do país havia pedido helicópteros-ambulâncias emprestados ao Reino Unido, para o resgate das vítimas.

Desespero

Vítimas do homem acusado do massacre que deixou 76 vítimas na Noruega, na última sexta-feira, teriam colocado mensagens no Twitter e no Facebook antes mesmo de a polícia ser avisada, segundo informações da ex-ministra Anne Holt.

Algumas das vítimas do ataque disseram a jornalistas que, ao ouvir que o atirador vestia um uniforme da polícia, decidiram usar a internet em vez de ligar para os serviços de emergência.

Policiais disseram que a viagem de carro até o lago demorou cerca de 20 minutos e foram necessários aproximadamente outros 20 minutos para que eles achassem um barco apropriado.

Muitas vítimas morreram ao saltar na água, tentando cruzar o estreito que separa a ilha do continente.

Desculpas

O advogado de Breivik disse nesta terça-feira que seu cliente pede desculpas pelos ataques, mas negou estar arrependido.

A polícia norueguesa está analisando a possibilidade de acusar Breivik de crimes contra a humanidade, segundo o jornal Aftenposten.

O militante de extrema direita disse que os ataques foram necessários para iniciar uma guerra no mundo ocidental, segundo seu advogado, Geir Lippestad. A guerra contra o mundo islâmico e o marximo foi mencionada no manifesto de 1,5 mil páginas atribuídas ao norueguês. O acusado será submetido a uma avaliação psicológica para atestar suas condições psiquiátricas.

O advogado disse que Breivik usou "alguns tipos de drogas" antes dos crimes da sexta-feira, para mantê-lo "forte e eficiente". Breivik aceitou responsabilidade pelos ataques mas negou as acusações de terrorismo. 

    Leia tudo sobre: noruegaexplosãooslo. noruega sob ataque

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG