Filho guardou restos da mãe por nove anos em mochila no Japão

Descoberta é feita em meio a uma operação de busca por japoneses listados nos registros oficiais com 100 anos ou mais

BBC Brasil |

selo

AP
Autoridade japonesa visita idosa durante operação para checar se pessoas com mais de 100 anos estão vivas
Os restos de uma idosa japonesa, que as autoridades do país acreditavam estar viva, com 104 anos, foram encontrados dentro de uma mochila do próprio filho.

Ele disse à polícia que a morte ocorreu em 2001, mas que na época ele não tinha dinheiro para pagar pelo funeral.

O filho decidiu então partir os ossos do cadáver e guardá-los na mochila, que foi encontrada no apartamento dele, em Tóquio

Durante todos esses anos, ele continuou recebendo a aposentadoria da mãe, além de uma ajuda financeira especial dada pelo governo aos centenários.

O filho está agora sendo investigado por fraude em conexão com o caso.

Decepção e tristeza

A descoberta foi feita em meio a uma operação de busca por pessoas com cem anos ou mais no país, depois que, no mês passado, os restos mumificados de um homem, tido como o mais velho de Tóquio, foram encontrados na casa de sua família.

A morte do idoso, que se estivesse vivo teria 111 anos, foi escondida pelos familiares por 30 anos. Segundo as autoridades japonesas, no momento há quase 200 centenários cujo paradeiro é desconhecido.

O comentarista da BBC Andre Vornic, especialista em assuntos relativos à região da Ásia e do Pacífico, disse que a possibilidade de que famílias estejam explorando seus parentes mortos para obter benefícios financeiros do governo causa grande consternação no país.

Além disso, a revelação de que um número significativo de pessoas com mais de cem anos está desaparecido coloca em dúvida as estatísticas oficiais sobre a expectativa de vida do Japão, que superaria os 80 anos.

    Leia tudo sobre: idosojapão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG