Ex-inspetor de armas da ONU diz que guerra do Iraque 'foi ilegal'

Segundo Hans Blix, dúvidas não justificam invasão ao Iraque

BBC Brasil |

selo

O ex-chefe dos inspetores de armas da ONU (Organização das Nações Unidas) Hans Blix disse nesta terça-feira acreditar que a invasão do Iraque em 2003 foi ilegal. "Tenho uma opinião sólida de que a Guerra do Iraque foi ilegal. Existem casos em que, mesmo com uma margem de dúvida, pode ser possível fazer guerra", disse ele. "Mas na minha opinião, o conflito no Iraque não foi um destes casos."

As declarações foram feitas durante depoimento ao inquérito Chilcot, que investiga as decisões tomadas antes e depois do início das operações militares britânicas no Iraque.

Sinceridade

Blix diz que entre o final de 2002 e março de 2003, pouco antes da invasão liderada pelos EUA, sua equipe realizou cerca de 700 inspeções em 500 locais e não encontrou evidências sólidas de armas de destruição em massa.

"Está claro que uma segunda resolução era necessária", diz ele referindo-se a aprovação do conflito pelo Conselho de Segurança da ONU. Blix diz acreditar que o governo americano de George W. Bush estava determinado a adotar uma solução militar para resolver crises internacionais. "Eles acreditavam que conseguiriam fazer isso e, portanto, era desejável faze-lo", disse ele.

Ele diz pensar que, na época, tanto o premiê britânico Tony Blair e o presidente americano George W. Bush acreditavam que o Iraque representava uma ameaça. "Acredito que ele (Blair) era absolutamente sincero nas suas crenças. O que questiono foram seus julgamentos", disse ele. As conclusões do inquérito devem ser divulgadas até o final do ano.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG