Execuções na China em 2010 superam total mundial, diz Anistia

Sem dados oficiais, organização estima que governo chinês tenha executado milhares no ano passado; Irã é segundo da lista

BBC Brasil |

selo

O número pessoas que a China condenou à morte em 2010 foi superior à soma de todas as outras nações que adotam a pena capital. É o que afirma um relatório recém-divulgado pela entidade de direitos humanos britânica Anistia Internacional.

A organização estima que o governo chinês tenha executado milhares de pessoas, mas diz não ter um número consolidado, uma vez que as autoridades chinesas não divulgam números oficiais a respeito de execuções.

Segundo a Anistia, pelo menos 527 pessoas foram executadas no mundo em 2010. Uma redução em relação ao ano anterior, quando a organização indicou que 714 foram executadas. O Irã foi o segundo país na lista dos que em 2010 mais praticaram a pena máxima, mas o número de pessoas que o país condenou à morte - um total de 252 - fica muito aquém dos números da China.

Um total de 23 nações praticaram execuções no ano passado. Além da China e do Irã, os demais países que mais condenaram pessoas à morte foram Coreia do Norte (pelo menos 60), Iêmen (ao menos 53), Estados Unidos (um total de 46), Arábia Saudita (pelo menos 27) e Líbia (um mínimo de 18).

Entre as pessoas executadas pelo Irã figuraram cinco mulheres e um jovem que tinha menos de 18 no período em que cometeu o crime. Os Estados Unidos foram o único país em toda a região das Américas a ter condenado pessoas à morte em 2010.

Declínio

Mas o número de Estados americanos que aboliram a pena de morte aumentou neste ano, com Illinois se tornando o décimo-sexto entre os 50 Estados americanos a rejeitar a prática.

AP
Em Manila, nas Filipinas, mulher protesta contra execução de filipinos condenados à morte na China (28/03)

Entre os métodos utilizados para sentenciar pessoas à morte figuraram decaptação, eletrocução, enforcamento, injeção letal e fuzilamento. Pelo menos 17,833 pessoas estavam no corredor da morte, aguardando execução, até o final de 2010.

A despeito dos números elevados, a Anistia Internacional avalia que a prática da pena de morte está em queda. Quando a organização deu início à sua campanha contra a pena de morte, em 1977, apenas 16 países haviam abolido a pena capital. Mas mais de 30 anos depois, afirma a organização, 139 países rechaçaram a pena de morte por lei ou na prática.

Países que executaram seus cidadãos em 2008 e 2009, como Afeganistão, Indonésia, Mongólia, Paquistão, Emirados Árabes e São Cristóvão e Nevis não condenaram ninguém à pena máxima em 2010. Mas, em compensação, nações que haviam promovido um hiato, como Bahrein, Belarus, Guiné Equatorial, Somália, Taiwan e a Autoridade Palestina, realizaram ao menos uma execução em 2010.

    Leia tudo sobre: pena de morteexecuçãochinairãeuaanistia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG