EUA ampliam sanções contra Guarda Revolucionária do Irã

O governo dos Estados Unidos anunciou nesta quarta-feira novas sanções contra o Irã, passando a punir quatro empresas ligadas às Guarda Revolucionária do país asiático. A medida amplia outras sanções que já estavam sendo adotadas contra a Guarda, a força de segurança de elite iraniana.

BBC Brasil |

As companhias são ligadas a uma empresa de construção que pertence à Guarda Revolucionária, a Khatam Al-Anbiya, e ao diretor da empresa, general Rostam Qasemi.

Os ativos no exterior de Qasemi e das quatro empresas foram congelados.

Segundo o governo americano, os lucros da Khatam Al-Anbiya ajudam a patrocinar os programas nuclear e de desenvolvimento de mísseis do Irã.

Urânio
A Guarda Revolucionária foi estabelecida pouco depois da Revolução Iraniana, em 1979, para defender o sistema islâmico do país e oferecer um contrapeso às Forças Armadas.

Desde então, ela se tornou a força de elite do Irã, com ligação direta com o líder supremo, atualmente o aiatolá Ali Khamenei. O atual presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, já foi membro da Guarda Revolucionária.

O Departamento do Tesouro americano disse em nota publicada na Internet que a Guarda Revolucionária está aumentando sua participação nos setores financeiro, comercial, de defesa, de construção e de petróleo para financiar atividades ilícitas como "proliferação de armas de destruição em massa e apoio ao terrorismo".

Autoridades da Rússia declararam nesta quarta-feira que novas sanções da ONU contra o Irã se tornaram mais relevantes depois da declaração de Teerã de que ampliou o enriquecimento de seu urânio.

Nesta semana, o país anunciou ter começado a enriquecer o urânio a 20% - mais próximo dos 95% necessários para que o material possa ser usado em armas atômicas.

Teerã diz que seu programa nuclear tem apenas fins pacíficos.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG