Estado americano da Virgínia executa primeira mulher desde 1912

Teresa Lewis admitiu ter contratado assassinos profissionais para matar seu marido e enteado em 2002

BBC Brasil |

selo

O Estado americano da Virgínia executou nesta quinta-feira Teresa Lewis, de 41 anos, a primeira mulher a ser executada nos Estados Unidos em cinco anos e a primeira no Estado desde 1912.

Lewis admitiu ser culpada de ter contratado assassinos profissionais para matar seu marido e enteado em 2002.

AFP
Teresa Lewis, executada nos EUA na noite desta quinta-feira


Em agosto, os advogados de Lewis pediram clemência, mas a Suprema Corte dos Estados Unidos e o governador do Estado da Virgínia, Bob McDonnell, se recusaram a intervir no caso. E, apesar de pedidos da União Europeia, Lewis foi executada por injeção letal às 21h (horário local, 22h, horário de Brasília).

As autoridades divulgaram a hora da morte da prisioneira, 21h13 (horário local) e suas últimas palavras. "Quero que Kathy saiba que a amo e que sinto muito", disse Lewis. Kathy Clifton, filha do marido que foi assassinado, Julian Lewis, presenciou a execução. Teresa Lewis, que tem dificuldades de aprendizado, passou suas últimas horas com seu conselheiro espiritual e familiares na prisão da cidade de Jarratt.

Bens e seguro de vida

No dia 30 de outubro de 2002, Lewis deixou a porta da casa onde morava com a família destrancada para que os assassinos Matthew Shallenberger e Rodney Fuller entrassem. Shallenberger e Fuller foram condenados à prisão perpétua. Shallenberger cometeu suicídio em 2006. O marido de Lewis, Julian Lewis, de 51 anos, e o enteado, Charles Lewis, 25 anos, foram encontrados mortos a tiros na cidade de Danville, Virgínia.

Teresa Lewis contratou os assassinos para matar sua família e herdar os bens de seu marido e o seguro de vida do enteado. Ela pagou pelas armas e munição usadas nos assassinatos. Lewis, que tem um QI de 72, alegou que não tinha inteligência suficiente para planejar as mortes e que novas provas apresentadas pela defesa provariam que ela teria sido manipulada por um dos assassinos. O governador da Virgínia, Bob McDonnell afirmou que os relatórios médicos e psicológicos não deram razões convincentes para concender clemência a Lewis e lembrou que ela admitiu a responsabilidade nos assassinatos.

    Leia tudo sobre: execuçãoeuamulher

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG