Espanhol que diz ter visitado todos os países é 'europeu que mais viajou pelo mundo'

Jorge Sanchez, de 57 anos, afirma ter dado a volta ao mundo quatro vezes. "Quando tinha cinco anos vi um Mapa Mundi e me empolguei", diz

BBC Brasil |

selo

Um espanhol de 57 anos afirma ter dado a volta ao mundo quatro vezes, visitado 766 destinos diferentes e, entre eles, todos os países registrados na ONU. Jorge Sánchez foi apontado pelo site MostTraveledPeople.com como o europeu que mais viajou no mundo e ocupa o quarto lugar entre as pessoas que visitaram mais lugares.

No entanto, Sánchez afirma que ainda não visitou vários destinos e está se preparando para outra volta ao mundo. O turista espanhol nasceu em um pequeno vilarejo na Catalunha e afirmou em entrevista à BBC que teve seu primeiro impulso de viajar quando ainda era criança. "Quando tinha cinco anos vi um Mapa Mundi e me empolguei ao ver um mundo tão grande", disse.

Jorge Sanchez
Espanhol afirma ter dado a volta ao mundo quatro vezes
"Decidi que iria conhecer o mundo todo, ainda que não soubesse se iria conseguir." E para isto, Sánchez começou cedo: aos 13 anos saiu de casa sem a permissão dos pais rumo a uma região do deserto do Saara, que, na época, era uma província espanhola na África e não exigia passaporte.

Mas, quando o jovem turista decidiu cruzar a Mauritânia, foi detido em um posto militar e enviado de volta à Espanha, onde seus pais o esperavam. "(Os pais) Estavam muito aborrecidos, principalmente meu pai. 'Se quer viajar, espera até fazer 18 anos', disse."

Com passaporte

Depois deste episódio, Sánchez esperou até os 18 anos, tirou o passaporte e começou uma viagem por toda a Europa. "Fui a Paris. Foi meu primeiro destino. Coloquei meu passaporte debaixo do travesseiro. Eu adorava meu passaporte. O guardava com medo, o acariciava", contou Sánchez à BBC. Para financiar suas viagens pelo mundo, o espanhol trabalhava nos lugares que visitava. Para economizar, dormia em albergues da juventude.

Sua primeira volta ao mundo durou 1.001 dias e, com o tempo, suas jornadas ficaram mais ousadas, com viagens a zonas de conflito. Outras viagens o levaram aos locais mais isolados do mundo, como Mustang, no Tibete, onde a entrada era proibida. No Afeganistão, na época do governo de Mohamed Nayibulá, que era pró-União Soviética, Sánchez foi preso sob suspeita de ser espião.

"Queria voltar ao meu país por uma rota mais curta, cruzando pelo Afeganistão, Irã e Turquia. Não tinha muito dinheiro. Mas cheguei apenas até Kandahar", lembra o viajante. Como ele não tinha visto para atravessar o Afeganistão, Sánchez foi levado à Cabul, julgado e mantido preso durante quatro meses, até que o governo espanhol apresentou um pedido de desculpas às autoridades afegãs e ele foi liberado para voltar à Espanha.

Três casamentos

No entanto, as viagens custaram a Sánchez três casamentos. "Tenho três filhas de três mulheres diferentes. Me casei, mas elas descobriram que meu primeiro amor é viajar", afirmou. "Viajar é mais importante que o casamento. Naturalmente sinto falta das minhas filhas, da minha ex-esposa, mas meu desejo de conhecer o mundo é muito forte."

Sánchez reconhece que seu desejo de viajar é tão forte que pode ser comparado a uma doença. "Existe uma doença chamada dromomania, a compulsão por viajar constantemente, e talvez eu sofra um pouco (desta doença)", afirmou.

Mais da metade

Se Sánchez fizer as contas de todo o tempo que passou viajando, o total seria de 30 anos, mais de 50% de sua vida. Apesar disto, o espanhol afirma que não pensa em parar, pois ainda há muitos lugares para conhecer.

Entre os locais que ele pretende visitar estão ilhas remotas na Oceania, como Tokelau e outras ilhas isoladas no sul do Oceano Pacífico. "Vou continuar com as minhas viagens enquanto tiver capacidade física e dinheiro. Acho que viajarei para o resto da minha vida, até morrer", afirmou.

    Leia tudo sobre: geral

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG