Entenda como o FBI faz a lista dos seus dez mais procurados

Saiba mais sobre a relação de criminosos mais buscados pelo governo dos Estados Unidos

BBC Brasil |

selo

Como o FBI decide quem entra na sua lista de suspeitos mais procurados? A pergunta veio à tona nesta semana, quando a polícia federal americana trocou Osama Bin Laden por um acusado de pornografia infantil em sua lista de dez fugitivos mais buscados.

Bin Laden, idealizador dos ataques de 11 de Setembro , era o extremista mais procurado no mundo até sua morte , em maio do ano passado, durante uma operação americana no Paquistão . Já Eric Justin Toth, de 30 anos, não é acusado de matar ninguém, mas sim de "possuir e produzir pornografia infantil".

Leia também: Professor substitui Bin Laden na lista dos dez mais procurados pelo FBI

Reuters
Site do FBI mostra imagens de Eric Justin Toth, inserido na lista de mais procurados

O ex-professor está foragido desde 2008, quando foi indiciado em âmbito federal após material pornográfico ter sido encontrado em uma câmera de fotos que ele havia usado em sua escola. O FBI buscou-o pelos Estados de Illinois, Indiana e Arizona, mas perdeu a trilha do suspeito. Por isso, na última terça-feira, adicionou Toth à lista de dez mais procurados, tirando dela Bin Laden.

"Sempre contamos com o apoio público para ajudar a capturar fugitivos e solucionar casos", disse em comunicado o porta-voz do FBI, Mike Kortan. "A inclusão de Eric Toth na lista de dez mais ilustra como é importante tirar esse indivíduo das ruas e prendê-lo."

'Mais durões'

O FBI começou a produzir a lista de Dez Mais Procurados em 1950, quando um repórter pediu ao organismo os nomes e as descrições dos "caras mais durões" que estavam foragidos. Desde então, a lista se tornou um sucesso de publicidade, dizem policiais.

Dos 495 homens e mulheres que figuraram na compilação nas últimas seis décadas, 465 foram capturados ou localizados. Desses, 153 foram presos a partir de pistas dadas por pessoas comuns, diz o FBI.

É importante lembrar que os dez indivíduos listados não estão ordenados por grau de periculosidade - a lista não é um ranking.

Ameaça à sociedade

Para ser incluído na lista, é preciso que haja um mandado de prisão federal para o indivíduo e que este seja considerado uma ameaça à sociedade - alguém com a suposta capacidade de provocar danos se continuar foragido. O homem ou a mulher da lista tem de ser considerado "mau" o suficiente para valer uma recompensa de centenas de milhares de dólares por pistas de seu paradeiro. Também é preciso que os agentes encarregados da busca tenha exaurido outras pistas e acreditem que a publicidade vai ajudar a encontrar o fugitivo (há casos em que fugitivos não são adicionados à lista porque as autoridades creem que a publicidade pode fazê-los se esconder ainda mais).

A lista é compilada com sugestões de agentes de campo e com a análise dos casos mais proeminentes - o material então vai para o topo da cadeia de comando do FBI, até os nomes da lista receberem a aprovação do diretor do órgão, Robert Mueller. "Ao longo do tempo, a lista espelhou, de alguma forma, os interesses das investigações criminais do FBI", explica o historiador oficial do órgão, John Fox.

Nos anos 1960 e 70, por exemplo, figuraram na lista radicais antiguerra do Vietnã adeptos da violência, como Bernardine Dohrn, Katherine Power e Leo Burt. Nos anos 1990, a compilação passou a contar com extremistas internacionais. E nos anos 2000 foi a vez de acusados de pedofilia e pornografia infantil serem listados.

"É claro que isso não engloba todas as prioridades do FBI", diz Fox. "Contrainteligência (por exemplo, operações sigilosas) não é um tema investigativo que se adeque à lista dos Dez Mais Procurados."

Os fugitivos saem da lista quando são capturados, mortos ou se deixam de ser considerados uma ameaça à sociedade. Ao longo dos anos, seis procurados se encaixaram nessa última categoria - por exemplo, os ativistas antiguerra do Vietnã que eram acusados de atos violentos e conseguiram escapar até chegarem à meia-idade.

Com tanto a ser levado em conta, é longo e burocrático o processo de acrescentar ou tirar um fugitivo da lista. O FBI demorou 11 meses para substituir Bin Laden. E, até esta quinta-feira, o acusado de assassinato James "Whitey" Bulger ainda figurava na lista, apesar de ter sido capturado em junho.

Os outros nove mais procurados :

Jason Derek Brown: Acusado da morte de guarda de carro forte durante um roubo no Arizona

Joe Luis Saenz: Acusado de matar dois membros de uma gangue rival de Los Angeles, de ter estuprado e matado sua namorada e de um quarto assassinato

Glen Stewart Godwin: Acusado da morte de um companheiro de cela em uma prisão mexicana, de onde escapou

Robert William Fisher: Acusado de ter assassinado sua mulher e filhos

Semion Mogilevich: Procurado sob acusações de ter fraudado investidores em um esquema financeiro

Eduardo Ravelo: Acusado de pertencer a um cartel de narcotráfico

Alexis Flores: Acusado pelo sequestro e assassinato de uma menina de cinco anos

Victor Manuel Gerena: Procurado por supostas conexões com um roubo de US$ 7 milhões de uma empresa de segurança

James "Whitey" Bulger: Acusado de assassinato e de fazer parte de uma gangue de Boston

    Leia tudo sobre: fbieuabin ladeneric j tothmais procurados

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG