Enfermeiro fingia ser lésbica para se aproximar de meninas na web

Britânico teve contato online com 49 meninas de 10 a 15 anos, que fazia com que se despissem para a câmera; ele foi sentenciado a mais de 6 anos

BBC Brasil |

selo

Um enfermeiro britânico que fingia ser uma adolescente lésbica para se aproximar de meninas na internet foi condenado a seis anos e oito meses de prisão e será monitorado pelo resto da vida. Barry McCluskey, de 39 anos, admitiu ter tido contato com 49 meninas, com idades de 10 a 15 anos, entre 2007 e 2010.

Ele contatava as meninas na rede social Bebo e depois por MSN, dizendo se chamar Clare ou Missy, uma jovem que seria "gay ou bissexual". Segundo a acusação, ele nunca teve contato pessoal com suas vítimas, mas manipulava as meninas para que elas se despissem ou fizessem atos sexuais para a câmera, enquanto ele gravava as imagens pelo computador.

"Àquelas que eram ou se tornavam relutantes, ele pedia que se exibissem mais, dizendo que se elas não o fizessem ele mandaria os vídeos que já tinha feito para amigos", afirmou a promotora Alison Di Rollo.

'Tendências suicidas'

Segundo as acusações feitas no tribunal, uma das vítimas ficou com tanto medo que passou a ter tendências suicidas e seu cabelo começou a cair. Outra menina, em idade escolar, implorou a McCluskey que não divulgasse as imagens, dizendo que sua mãe estava muito doente. "Mais três vídeos e estou fora da sua vida", McCluskey respondeu a ela.

A polícia começou a investigar o comportamento do enfermeiro, que era casado e tem dois filhos, em fevereiro de 2010, após receber uma denúncia da mãe de uma menina de 13 anos. Ela tinha sido forçada a realizar atos sexuais na frente de uma webcam. Quando os policiais chegaram à casa de McCluskey, ele não estava. Ele foi encontrado em uma ponte, supostamente pensando em suicídio, dizendo ter "feito algo errado".

Acesso à rede

Mais tarde, uma investigação revelou detalhes do comportamento do enfermeiro. McCluskey, que agora está separado da mulher, também filmava meninas enquanto elas faziam compras e mulheres no vestiário de um clube.

Mais de 10 mil imagens indecentes foram encontradas em seu computador. "Espertamente, você manipulou seu caminho até as casas, quartos e mentes de crianças que você escolheu especificamente", disse a juíza no caso, Rita Rae.

Segundo ela, o caso ilustra a necessidade de os pais controlarem melhor o acesso dos filhos à internet. "Elas (crianças) podem se comunicar, às vezes por câmera, com estranhos, alguns dos quais escondem sua verdadeira identidade. O risco é que crianças vulneráveis possam acabar em uma posição na qual elas são forçadas a fazer coisas dolorosas e que causam sentimentos de culpa, vergonha, degradação e humilhação."

    Leia tudo sobre: enfermeirointernetpornografiapedofiliareino unidorede social

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG