Em meio a protestos, presidente do Chile anuncia reforma ministerial

Em sua segunda mudança de gabinete, Piñera substitui ministro da Educação após quase dois meses de protestos estudantis

BBC Brasil |

selo

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, anunciou nesta segunda-feira uma reforma ministerial que inclui a substituição do ministro da Educação, Joaquin Lavín, após quase dois meses de protestos dos estudantes do país . Lavín passará a ocupar a pasta do Planejamento. O novo ministro da Educação será Felipe Bulnes, que era ministro da Justiça.

Entre trocas de pastas e demissões, Piñera substituiu oito ministros na segunda reforma ministerial - de acordo com o jornal La Tercera - desde que assumiu a presidência, em março do ano passado. As mudanças anunciadas nesta segunda-feira ocorreram poucos dias depois que pesquisas de opinião, como a do instituto Adimark, indicaram forte queda na popularidade do presidente e de Lavín.

De acordo com esse levantamento, Piñera registra 31% de apoio popular, o nível mais baixo para um presidente desde o retorno da democracia no Chile, apesar do crescimento econômico do país (cerca de 6%). Já Lavín teria perdido apoio desde que os estudantes iniciaram protestos pedindo acesso gratuito às universidades e melhor qualidade no ensino.

"Felipe Bulnes assumirá a pasta de muitos desafios, e que não são de agora. Mas agora (esses desafios) são urgentes", disse Piñera ao discursar no palácio presidencial de La Moneda.

Pacote para a educação

Recentemente, Piñera anunciou, em rede nacional de televisão, um pacote de medidas para a educação, incluindo mais recursos para o setor. Os líderes estudantis e professores consideraram que os anúncios não foram suficientes, como afirmaram Camilo Ballesteros, representante dos estudantes, e Jaime Gajardo, presidente do Colégio (sindicato) de Professores.

A reforma ministerial desta segunda incluiu também a substituição da porta-voz do governo, ministra Ena Von Baer, pelo político Andrés Chadwick, além da transferência do ministro Laurencio Golborne, de Mineração e de Energia, para a pasta de Obras Públicas.

Golborne ganhou popularidade após comandar a operação de resgate dos 33 mineiros que estiveram presos em uma mina no país, em outubro de 2010. Além dos estudantes, outros setores, como os mineiros da Codelco, principal empresa de cobre do país, e ambientalistas realizaram protestos nos últimos dias no Chile.

    Leia tudo sobre: chileeducaçãoestudantespiñeraprotestos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG