Eleito para Senado dos EUA, filho de cubanos é comparado a Obama

Marco Rubio passou de completo desconhecido à estrela emergente do Partido Republicano e pode ser candidato à presidência em 2012

BBC Brasil |

Em poucos meses, o político de origem cubana Marco Rubio passou de completo desconhecido a uma das estrelas emergentes do Partido Republicano. E sua trajetória acaba de ganhar peso, por causa de sua eleição para o Senado pelo Estado da Flórida.

Os meios de comunicação dos EUA não se cansam de comparar Rubio, de 38 anos, com o jovem Barack Obama, que em 2004 arrebatou os participantes da convenção democrata em Boston, e, quatro anos mais tarde, conseguiu derrotar a então toda poderosa Hillary Clinton na corrida pela candidatura democrata à Presidência.

AP
Republicano Marco Rubio, eleito para o Senado dos EUA pela Flórida, abraça sua mãe Oria em Coral Gables. À esq., sua mulher Jeanette e sua filha Amanda
Quando, em maio de 2009, Rubio anunciou que pretendia candidatar-se ao Senado, poucos acreditavam que ele teria chances de vencer - particularmente levando-se em conta que seu adversário dentro do Partido Republicano era o atual governador da Flórida, Charlie Crist, que tinha altos índices de popularidade e havia até mesmo cogitado a possibilidade de se tornar candidato à presidência.

Um ano depois, a disputa republicana na Flórida sofreu uma reviravolta e Crist se viu forçado a anunciar que concorreria às eleições como candidato independente, depois de pesquisas terem revelado que Rubio tinha mais de 20 pontos de vantagem nas pesquisas nas primárias do partido.

Como se explica a ascensão fulminante de Rubio no cenário político americano? É possível estabelecer paralelos entre o jovem senador eleito republicano e o atual presidente americano?

Expoente do 'sonho americano'

Analistas concordam em afirmar que há dois fatores-chave para o sucesso de Rubio: o apoio que recebeu da base mais conservadora do Partido Republicano - especialmente do movimento Tea Party -, e uma história pessoal que, como no caso de Obama, reúne muitos dos elementos do chamado sonho americano.

"Como Obama, Rubio é jovem, é inspirador e tem uma grande história pessoal. O Partido Republicano está desesperado para encontrar seu próprio Obama, e parece que Rubio pode ser essa pessoa", disse à BBC Mundo Beth Reinhard, comentarista política do jornal The Miami Herald.

Rubio nasceu em Miami em 1971, filho de pais cubanos que imigraram para os EUA sem dinheiro e sem falar uma palavra de inglês. Quando tinha 8 anos, sua família mudou-se para Las Vegas, onde seu pai trabalhou como camareiro, e sua mãe, limpando quartos de um hotel.

De volta à Flórida, Rubio conseguiu cursar a universidade graças a uma bolsa esportiva e, em 1996, completou seu doutourado em Direito com menção honrosa.

Em 2000, após ser legislador em West Miami, foi eleito pela primeira vez para a Câmara de Representantes da Flórida, da qual se transformaria em presidente seis anos mais tarde, sendo a pessoa mais jovem e a primeira de origem latina a ocupar o cargo.

"Rubio sempre foi considerado uma estrela emergente na Flórida. Ao longo de uma década passou de legislador de uma pequena cidade a presidente da Câmara de Representantes, que é um dos três cargos mais importantes no Estado", diz Reinhard. Rubio é casado com uma ex-animadora de torcida de futebol americano, com quem tem quatro filhos.

Novo rosto do conservadorismo

Mas há outro elemento essencial na ascensão de Rubio: com seu patriotismo, sua defesa da livre iniciativa, das liberdades individuais e da redução do tamanho do governo federal, Rubio conseguiu animar a base mais conservadora o Partido Republicano, em especial os integrantes do Tea Party.

Rubio se opôs ao pacote de estímulo econômico aprovado pela Casa Branca no começo de 2009, assim como à reforma do sistema de saúde impulsionada por Obama.

Além disso, é contrário ao aborto, defensor do direito dos cidadãos de carregar armas, opõe-se a qualquer tipo de anistia a imigrantes ilegais e é partidário da abertura de novas áreas para exploração de petróleo nos EUA.

"Seu sucesso se deve à sua mensagem, que é uma mensagem de governo limitado, de promoção da empresa privada e das liberdades individuais, e de redução do papel do Estado na vida econômica e social", disse Alex Burgos, diretor de comunicação da campanha de Rubio.

"Ele acredita que suas posições são compartilhadas pela maior parte dos americanos. Que estamos gastando o que não temos, que os impostos estão muito altos, que não queremos que o governo tome decisões por nós em termos de saúde, que devemos ter um sistema de imigração que favoreça a imigração legal, e não a ilegal", afirmou Burgos.

O ideário conservador fez com que Rubio recebesse apoio explícito de republicanos de renome, como o ex-prefeito de Nova York Rudolph Guiliani, o ex-governador do Arkansas Mike Huckabee e o ex-governador de Massachussets Mitt Romney - um dos republicanos com mais chances para a campanha presidencial de 2012.

Eleitores hispânicos

Mas, além de seu carisma entre os eleitores mais conservadores, alguns afirmam que sua figura poderia ser chave para que os republicanos recuperem votos latinos . Apesar de Rubio afirmar que não tem intenção de transformar sua origem étnica em parte essencial de sua carreira política, suas raízes cubanas poderiam ajudar o Partido Republicano a superar sua falta de sintonia com a comunidade hispânica.

Rubio foi um dos primeiros republicanos a mostrar sua oposição à nova lei de imigração do Arizona, ainda que depois tenha se retratado e assegurado que as mudanças introduzidas na legislação impediriam que ocorressem abusos denunciados por grupos de defesa dos direitos dos imigrantes.

Essa mudança de postura pode ter tido origem no temor de que o candidato alienasse parte de sua base ultraconservadora no Tea Party - já que alguns membros do movimento saíram em defesa da lei do Arizona.

Durante sua campanha, Rubio foi submetido a uma investigação pelo escritório do Serviço Nacional de Impostos, sobre a suposta utilização para gastos pessoais do cartão de crédito dado a ele pelo partido, quando ele era presidente da Câmara da Flórida. O agora senador afirmou que os gastos foram feitos com "objetivos políticos legítimos", e diz que não foi contactado por autoridades federais.

Alguns analistas se perguntam se a rápida ascensão de Rubio é uma mostra da força que o Tea Party está ganhando dentro do aparato republicano, ou do desejo dos conservadores de encontrar uma personalidade capaz de competir com Obama.

A questão agora é saber como Rubio poderá fazer essa viagem ao centro do espectro político, sem alienar seus seguidores mais à direita.

    Leia tudo sobre: eleiçõeseuabarack obamarepublicanosdemocratas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG