Egito pede que especialistas investiguem ataques de tubarão em praia

Mulher de 70 anos morreu enquanto praticava mergulho no resort de Sharm el-Sheik no Mar Vermelho

BBC Brasil |

selo

O Ministério do Turismo egípcio convidou especialistas internacionais para investigar a série de ataques de tubarões no resort de Sharm el-Sheik, no Mar Vermelho. A decisão vem logo após a morte de uma turista alemã de 70 anos, que foi atacada enquanto praticava mergulho com um snorkel (tubo de plástico que permite a respiração) a apenas 20 metros da praia, no domingo.

Poucos dias antes, quatro turistas ficaram feridos em outro ataque. Como ocorrências deste tipo são extremamente raras, as autoridades egípcias querem descobrir o que está por trás dos incidentes, em meio a temores de que os ataques prejudiquem a lucrativa indústria turística no Mar Vermelho.

Reuters
Turistas são vistos em praia do resort de Sharm el-Sheikh, no Egito, onde mergulho foi proibido após ataque de tubarão

Especialistas em tubarões e moradores locais especulam sobre as razões dos ataques. Alguns dizem que o aumento da pesca no Mar Vermelho pode ter levado os peixes para mais perto da costa.

Outros colocam a culpa em um navio australiano que levou gado e ovelhas para o Eid al-Adha, o festival muçulmano do sacrifício, no mês passado. A embarcação teria atraído tubarões após ter jogado no mar as carcaças dos animais que morreram na viagem.

Fotografias

As autoridades egípcias haviam reaberto o acesso ao mar na semana passada após terem publicado as fotos de dois tubarões capturados, que seriam os responsáveis pelos ataques que deixaram três russos e um ucraniano feridos.

No entanto, mergulhadores e ambientalistas compararam as fotos com outra tirada logo antes dos ataques e disseram que não se tratava do mesmo animal.

Após o ataque deste domingo, foram colocados avisos nas praias pedindo que visitantes não fossem para águas mais profundas. No entanto, alguns turistas continuaram se aventurando nas partes mais rasas.

    Leia tudo sobre: egitotubarãoataqueinvestigação

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG