Doador anônimo deixa dinheiro em hospitais e igrejas de cidade alemã

Doações misteriosas que totalizam 190 mil euros (R$ 435 mil) intrigam moradores de Braunschweig, centro da Alemanha

BBC Brasil |

selo

Um doador anônimo vem deixando envelopes com dinheiro em hospitais, igrejas e outros locais estratégicos em uma pequena cidade alemã.

Os envelopes brancos contendo 20 notas de 500 euros (cerca de R$ 1.144) cada um foram deixados, por exemplo, atrás de livros de hinos religiosos em uma igreja da cidade Braunschweig, na região central da Alemanha. Em outras ocasiões, a doação foi colocada embaixo de um tapete na entrada de um hospital ou na recepção do jornal local.

Até agora, ninguém conseguiu ver o rosto do benfeitor misterioso. E não se fala em outra coisa em Braunschweig, palco de acontecimentos que lembram contos de fadas. O doador, a doadora ou possivelmente os doadores misteriosos já deixaram pelo menos 190 mil euros (cerca de R$ 435 mil) em pontos inusitados da cidade.

Leia também: Doador anônimo deixa US$ 131 mil em banheiro público do Japão

Na semana passada, uma enfermeira de um lar para doentes terminais em Braunschweig encontrou um dos envelopes sob o tapete na entrada do prédio. Um dos aspectos intrigantes do caso é justamente o fato de que, ao deixar o dinheiro em um lugar como esse, o doador não tem como garantir que o envelope não caia nas mãos de pessoas menos escrupulosas.

A maneira mais segura de fazer o dinheiro chegar ao hospital seria, com certeza, colocar o envelope na caixa de correspondências na frente do prédio. Mas quem sabe parte do que motiva o benfeitor misterioso nesses atos de altruísmo não seja justamente a incerteza em relação ao resultado final e o frisson associado à própria operação de entrega do envelope?

Teorias

As doações tendem a ser acompanhadas por uma notícia recortada do jornal da cidade, o Braunschweiger Zeitung.  Em um dos casos, a notícia se referia a um menino que tinha ficado paralisado após um acidente quando nadava. O nome do menino foi sublinhado no recorte. Sabe-se, portanto, que o doador lê o jornal local. E é só.

A teoria favorita dos moradores é de que o doador não tem família ou rompeu com os familiares. Outra teoria é de que se trataria de um Robin Hood contemporâneo, redistribuindo a riqueza entre os mais pobres.

Esta é a opinião de Michael Knobel, gerente do lar para doentes terminais Am Hohen Tore, em Braunschweig. Quem quer que seja, Knobel gostaria de agradecê-lo: "É estranho para nós não saber quem ele ou ela é porque gostaríamos de convidá-lo (a) para tomar um café".

Anke Burckhardt, uma enfermeira do hospital, disse que o dinheiro será bem usado em treinamento para funcionários, ensinando-os a cuidar da melhor forma possível de pessoas que sabem que deverão morrer em breve. Ela também tem sua teoria: "Pode ser alguém que ganhou um monte de dinheiro na loteria e está apenas tentando fazer algo bom".

'Conto de Fadas'

Hans-Juergen Kopkow, pastor da igreja St Markus, em Braunschweig, encontrou um envelope escondido atrás de livros em uma prateleira na entrada da igreja. Ele contou que só viu o envelope quando, ao fechar a porta da igreja num sábado à noite, colocou a prateleira dentro do prédio. "Acho que é um homem ou mulher rico (a), e não tem ninguém a quem deixar esse dinheiro. Nessa congregação, sabemos o que fazer com o dinheiro. Podemos entregá-lo a pessoas em grande necessidade. (O doador) vai trazer muita alegria para o povo", disse Kopkow à BBC.

Alguns cidadãos menos generosos de Braunschweig vêm se perguntando se o doador não seria talvez um pouco louco? "Não! Louco não, definitivamente!", respondeu o pastor.

As únicas pistas comuns a todos os casos são os recortes do Braunschweiger Zeitung, que acompanham todas as doações.  Mas o editor do jornal, Henning Noske, disse à BBC que decidiu não colocar um repórter para investigar a identidade do doador - ainda que o benfeitor pareça sentir um certo prazer ao correr o risco de ser descoberto.

"Ele ou ela deseja permanecer anônimo (a) e nós temos de respeitar isso. Então, do nosso ponto de vista, é (um benfeitor) anônimo".

Sobre o fato de que o doador parece sentir um prazer especial em se esgueirar por espaços públicos para deixar o dinheiro quando ninguém está olhando, o editor disse o seguinte: "Será que as pessoas que precisam do dinheiro vão recebê-lo? Isso é parte do conto de fadas, um conto de fadas da vida real".

    Leia tudo sobre: alemanhadoador anônimodoaçãodinheiroBraunschweig

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG