DNA de filho leva a prisão de assassino em série nos EUA

Lonnie Franklin Jr., de 57 anos, é acusado de matar ao menos 10 prostitutas entre 1985 e 2007

BBC Brasil |

selo

Um homem suspeito de matar ao menos dez pessoas ao longo de duas décadas foi preso em Los Angeles, nos Estados Unidos. A prisão de Lonnie Franklin Jr., de 57 anos, após tanto tempo, foi possível graças a um exame de DNA em amostras do filho dele, preso por outro crime.

Franklin Jr. foi apelidado pela imprensa californiana de Grim Sleeper (Dorminhoco Cruel, na tradução literal), num trocadilho com Grim Reaper (nome dado à personificação da morte).

A maioria de suas supostas vítimas eram prostitutas de Los Angeles que foram atacadas sexualmente antes de serem mortas, entre 1985 e 2007. Ele recebeu o apelido porque aparentemente parou de matar entre 1988 e 2002.

Investigação

A polícia local passou vários anos investigando os assassinatos, sem sucesso. A novidade apareceu após a prisão do filho de Franklin Jr. e a retirada de amostras de DNA, examinadas por meio de uma técnica conhecida como "busca familiar".

O DNA do filho indicou que ele era um parente próximo do assassino em série procurado. A árvore genealógica da família foi então remontada, e o pai finalmente apareceu como o principal suspeito.

Investigadores posteriormente retiraram amostras de DNA de um copo usado por Franklin Jr. em um restaurante para comparar com as amostras retiradas das cenas dos crimes.

    Leia tudo sobre: estados unidoslos angelesviolência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG