Democracia indiana reflete cada vez mais a diversidade do país, dizem analistas

A maior democracia do mundo passou por um período de evolução e reflete cada vez mais as diversidades da população do país - uma das maiores do planeta. De acordo com analistas ouvidos pela BBC Brasil, as eleições legislativas indianas viram, nas últimas duas décadas, o fortalecimento dos chamados partidos regionais - que representam demandas de uma determinada região, casta social ou grupo cultural e religioso.

BBC Brasil |

Nas eleições do ano passado para o Parlamento indiano, a vitória contundente da coalizão governista liderada pelo Partido do Congresso - que dominou a política indiana nos anos 1950 a 1970 - levou alguns analistas a decretarem o fim deste processo. Uma segunda avaliação, entretanto, mostrou as nuances do resultado do pleito: os indianos deram seu aval ao partido dominante nao só devido à prosperidade econômica que o país atravessava, mas também pela capacidade do partido de se regionalizar, segundo especialistas. "É uma mudança no rosto do Legislativo indiano", diz Sanjay Kumar, vice-diretor do Programa Lokniti sobre Democracia Comparativa, do Centro para o Estudo das Sociedades em Desenvolvimento (CSDS) em Nova Déli. "Hoje temos muito mais representantes de mais comunidades de castas no Legislativo nacional do que costumava haver nos anos 1960 e 1970". Alguns analistas afirmam, entretanto, que a diversidade é também o grande paradoxo da democracia indiana. Ao mesmo tempo em que um Congresso "regionalizado" representa uma gama maior de interesses, também torna mais difíceis a formação de coalizões que facilitem o funcionamento do governo. Regionalização A Índia possui uma imprensa variada e livre, o direito à liberdade de opinião é amplamente respeitado e mesmo em regiões que registram níveis mais altos de violência, como a Cachemira, na fronteira com o Paquistão, as eleições vêm sendo consideradas livres e justas. Desde que se tornou uma república parlamentarista independente do império britânico, em 1947, a Índia só passou por apenas 21 meses de exceção democrática, nos anos 1970. No nível federal, o Partido do Congresso, que teve em seus quadros políticos como Indira Gandhi e Jawaharlal Nehru, foi historicamente a força dominante. Nos anos 1980, surgiu o partido de oposição Bharatiya Janata Party (BJP), que se tornou a força polarizadora da política indiana, e que governa o país entre 1998 e 2004. Nas últimas eleições, diversos partidos regionais fincaram o pé no Congresso indiano. "Combinados, os partidos regionais receberam nas três últimas eleições nacionais cerca de um terço dos votos, enquanto nos anos 70 ou 80 esse percentual era 8-10%", diz o professor Kumar. "Não há plataforma comum entre esses partidos, porque cada um está próximo dos interesses regionais de grupos que foram deixados de lado e à margem da política indiana historicamente. Eles representam uma aspiração para as elites emergentes locais, uma oportunidade de obter poder político". Entretanto, a regionalização indiana suscita também cautela entre os analistas políticos. Em entrevista à BBC Brasil concedida pouco antes das eleições do ano passado, o historiador Ramachandra Guha observou: "Esse fenômeno, por um lado, é um aprofundamento da democracia indiana", disse o historiador. "Mas no nível nacional é irracional porque, com 25 partidos diferentes formando um governo, fica impossível ter qualquer política coerente de longo prazo em termos de infra-estrutura, educação e saúde." O centro de estudos Loktini, de Kumar, publicou no jornal "The Hindu" uma série de análises políticas a partir dos resultados das eleições do ano passado. Os pesquisadores avaliaram que, embora o partido dominante tenha levado mais cadeiras no Parlamento, sua votação não foi maior que em eleições anteriores. Além disso, uma pesquisa de opinião do instituto revelou que mais de 70% dos entrevistados consideravam mais importante ser fiel aos interesses regionais e só depois aos nacionais. Para os pesquisadores, existe uma "saturação" da política feita com viés regional - mas isto "não significa o fim do poder das castas na política". "Talvez o futuro seja uma política 'para além da identidade', que combine uma fundação básica a partir das castas e das comunidades com certos interesses nacionais básicos." Desafios Para que os representantes políticos reflitam melhor a opinião de seus cidadãos, porém, a democracia indiana precisa vencer certos desafios, dizem analistas. Um deles é o que se convencionou chamar de "criminalização da política indiana", a crescente presença de candidatos com antecedentes criminais autorizados a disputar eleições regionais e nacionais. Segundo um relatório da Associação para as Reformas Democráticas (ADR, na sigla em inglês), que monitora os resultados eleitorais, cerca de um terço dos parlamentares eleitos para a Lok Sabha no ano passado é alvo de acusações criminais, sendo que metade deles responde por acusações criminais graves. "A outra grande preocupação é que existe uma grande mudança na representação política em termos de perfil social. Mas em termos de perfil econômica, houve pouca mudança", afirma o professor. "Mesmo entre as pessoas que vieram de castas marginalizadas para ocupar cargos públicos, foram os mais ricos que ganharam proeminência. Então, em termos de classe, a política permanece nas mãos, senão dos mais ricos, pelo menos das classes médias altas", avalia.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG