Corpo de Kirchner é sepultado no sul da Argentina

Nos oito quilômetros entre o aeroporto e o cemitério de Rio Gallegos, o cortejo foi saudado por uma multidão

BBC Brasil |

selo

O ex-presidente da Argentina Néstor Kirchner foi sepultado nesta sexta-feira no cemitério municipal de Rio Gallegos, na província de Santa Cruz, no sul do país. Como ocorreu durante o velório em Buenos Aires, uma multidão acompanhou o cortejo fúnebre pelas ruas da cidade.

Ana Manfrinatto, especial para o iG
Bandeira argentina com faixa negra expressa luto do país
Os simpatizantes de Kirchner ergueram bandeiras e faixas e aplaudiram a passagem do cortejo nos oito quilômetros, entre o aeroporto e o cemitério. "Olé, olé, olé, olé, Lupo, Lupo!", cantavam, em referência ao apelido do ex-presidente em Rio Gallegos, onde nasceu e fez carreira política até chegar à presidência do país, em 2003.

Kirchner foi presidente até 2007 e era o braço forte do governo da esposa e sucessora, a atual presidente Cristina Kirchner, cujo atual mandato termina em dezembro de 2011. O enterro foi realizado após 26 horas de velório, na sede da presidência do país, a Casa Rosada, em Buenos Aires.

A cerimônia do sepultamento foi acompanhada apenas por poucos familiares, entre eles a presidente, os filhos do casal, Maximo e Florência, ministros, parlamentares da base governista, e o presidente da Venezuela, Hugo Chávez.

Volta ao trabalho

Em meio à intensa expectativa sobre como será o governo de Cristina, após a morte do marido, políticos da base governista disseram que ela deverá voltar a trabalhar na segunda-feira. O líder do governo na Câmara dos Deputados, Agustín Rossi, do partido Frente para a Vitória (FPV), disse, na porta do cemitério, que a presidente está pronta para continuar governando. "O povo pode ficar tranquilo. A presidente é forte, é uma estadista e tudo vai dar certo."

O sub-secretário de Imprensa da Presidência, Alfredo Scoccimarro, também afirmou que Cristina voltará a trabalhar na segunda-feira, após passar o fim de semana com os filhos em Santa Cruz, como informou a agência oficial de noticias Telam. Já o ministro do Interior, Florencio Randazzo, afirmou que ela conta com "forte apoio dos governadores e dos prefeitos para continuar governando".

Cristina não fez declarações a imprensa desde a morte do marido, na quarta-feira, quando ele sofreu uma parada cardiorrespiratória. Os dois estavam na casa que construíram na cidade de El Calafate, na Patagônia, onde ela deverá passar o fim de semana com os filhos antes de retornar à Casa Rosada

    Leia tudo sobre: iGargentinalutobuenos airesnestor kirchner

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG