CIA armou vacinação falsa para pegar DNA de Bin Laden, diz jornal

Guardian diz que agentes recrutaram médico para organizar campanha em Abbottabad, onde líder da Al-Qaeda se escondeu por anos

BBC Brasil |

selo

A Agência Central de Inteligência americana (CIA) usou uma campanha falsa de vacinação para tentar acessar as instalações usadas pelo líder da Al-Queda, Osama Bin Laden , no Paquistão, e obter seu DNA, segundo informa nesta terça-feira o jornal britânico The Guardian.

O diário afirma que agentes da CIA recrutaram um médico local para organizar a campanha na cidade paquistanesa de Abbottabad , onde o líder da Al-Qaeda se escondeu por diversos anos. De acordo com o Guardian, o paquistanês foi preso depois da ação.

A CIA se nega a comentar as alegações, que ocorrem em um momento de tensão entre Islamabad e Washington. Bin Laden foi morto em 2 de maio , em uma operação militar americana na mansão em que ele morava em Abbottabad.

As relações entre Paquistão e Estados Unidos pioraram desde a morte do líder da Al-Qaeda. Muitos americanos se perguntam como Bin Laden pode ter vivido tanto tempo escondido em Abbottabad, a menos de 1 km da principal academia militar paquistanesa.

Amostra de sangue

Segundo o Guardian, o recrutamento do médico paquistanês Shakil Afridi para simular a campanha de vacinação fez parte dos longos preparativos americanos para a operação que levou à morte de Bin Laden.

A intenção, segundo o Guardian, era fazer um profissional de saúde entrar no complexo usado por Bin Laden e obter uma amostra de sangue de seus filhos. Assim, um teste de DNA poderia ser feito para confirmar a sua presença no local - algo que, até então, era difícil de verificar com precisão.

O DNA das crianças seria comparado ao de uma irmã de Bin Laden, cujo material genético já havia sido obtido. O jornal afirma ser incerto se a CIA conseguiu obter o DNA de Bin Laden, embora um informante indique que a operação não teve sucesso.

De acordo com o correspondente da BBC em Islamabad Aleem Maqbool, embora americanos e paquistaneses não tenham comentado oficialmente a reportagem, o Guardian alega que ambas as partes tentaram impedir a publicação das alegações.

O Guardian afirma que autoridades da CIA atuaram para que enfermeiros realizassem a vacinação em Abbottabad. De acordo com o jornal, a campanha teve início em uma parte mais pobre da cidade paquistanesa, para parecer mais autêntica.

Prisão

Segundo uma fonte não identificada das forças armadas paquistanesas ouvida pelo serviço em urdu da BBC, um profissional de saúde que aplicou a vacina contra pólio em crianças dentro da mansão de Bin Laden foi preso logo depois da operação de 2 de maio. A mesma fonte afirma que diversas crianças foram chamadas de dentro do complexo usado pelo líder da Al-Qaeda para receber as gotas da vacina.

O profissional teria dito a investigadores que as crianças falavam fluentemente o idioma pashto, assim como as mulheres que as levaram para ser vacinadas. O homem detido não teria visto o rosto das mulheres, pois eles estariam cobertos.

A fonte militar ouvida pelo serviço em urdu da BBC afirma que o profissional da saúde continua sob custódia, mas ele não é suspeito de ter colaborado com os agentes secretos americanos. A reportagem afirma que a CIA decidiu lançar a campanha depois que um mensageiro de Bin Laden foi visto na mansão de Abbottabad.

Três mulheres de Bin Laden e diversas crianças foram detidas depois da operação em Abbottabad. Os familiares teriam fornecido informações vitais sobre as atividades do líder da Al-Qaeda, tornando-se as principais testemunhas da ação que o matou.

Homem mais procurado do mundo, Bin Laden é acusado de ser mentor dos atentados de 11 de Setembro de 2001 contra as Torres Gêmeas, em Nova York, e o Pentágono, em Washington, que deixaram quase 3 mil mortos.

    Leia tudo sobre: bin ladenal-qaedapaquistãociaeuavacinaçãodna

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG