teve reunião com ex-líder das Farc - BBC - iG" /

Chávez afirma que teve reunião com ex-líder das Farc

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, admitiu na última segunda-feira que se reuniu em uma data não divulgada com Raúl Reyes, líder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), morto em março de 2008. De acordo com o presidente venezuelano, a reunião ocorreu a pedido das autoridades colombianas, o que a Colômbia nega.

BBC Brasil |

Segundo veículos de comunicação da Colômbia e da Espanha, Chávez teria admitido o encontro com o líder guerrilheiro após uma reunião com o presidente de Belarus, Alexander Lukashenko, que visitou Caracas na última segunda-feira.

"Recebi Raúl Reyes uma vez, em particular, em uma reunião secreta, em La Casona", a residência presidencial venezuelana.

"Conversamos durante toda a madrugada, porque (o ex-presidente colombiano) Andrés Pastrana me pediu, me pediu várias vezes", disse Chávez.

O presidente venezuelano acrescentou que o objetivo da reunião foi o de estudar fórmulas para "buscar a paz" na Colômbia.

Além de Reyes, Chávez também teria se reunido com um dirigente do Exército de Libertação Nacional (ELN), segunda maior guerrilha da Colômbia, também a pedido de Pastrana.

"Que ele (Pastrana) não reconheça e fique calado, (...) cada um com sua consciência", disse Chávez.

Raúl Reyes, considerado o "número dois" na hierarquia das Farc, morreu em março de 2008 em uma operação do Exército da Colômbia no território do Equador.

Esta operação gerou ao rompimento de relações diplomáticas entre os governos da Colômbia e o de Equador.

Autorização
Em Bogotá, o ex-Comissário de Paz da Colômbia, Camilo Gómez, afirmou, em nome de Pastrana, que a versão de Chávez não é correta.

"Não, o presidente Chávez não está sendo fiel à verdade nisto", afirmou Gómez em referência ao suposto pedido de Andrés Pastrana, que governou a Colômbia entre 1998 e 2002.

"Nem o ex-presidente Pastrana, nem o governo colombiano, nem o então chanceler, nem eu, como Comissário de Paz, autorizamos nenhuma reunião", afirmou.

Em declarações à imprensa colombiana, Gómez garantiu que o que ocorreu foi o contrário. "Chávez, em mais de uma ocasião, pediu ao governo colombiano a autorização para falar" com as Farc.

De acordo com o colaborador da BBC em Bogotá, Hernando Salazar, Pastrana instituiu um processo de paz com as Farc entre 1999 e 2002, mas ele fracassou.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG