Casal é preso acusado de tentar vender segredos nucleares nos EUA

O argentino Pedro Mascheroni e a americana Marjorie foram acusados de conspirar para desenvolver arma atômica para a Venezuela

BBC Brasil |

selo

Um cientista americano e sua mulher foram presos e acusados formalmente nesta sexta-feira de ter passado informações confidenciais sobre armas nucleares a um agente do FBI que fingiu ser do governo venezuelano.

Pedro Leonardo Mascheroni, de 75 anos, um argentino naturalizado americano, e sua mulher, a americana Marjorie Roxby Mascheroni, 67 anos, foram presos por agentes do FBI (a polícia federal dos Estados Unidos) na manhã desta sexta-feira em sua residência no Estado do Novo México.

Segundo o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, ambos foram acusados formalmente “por comunicar informações confidenciais relacionadas a armas nucleares a uma pessoa que eles acreditavam ser um agente do governo da Venezuela”.

Entre as 22 acusações contra o casal está também a de “conspirar para participar do desenvolvimento de uma arma atômica para a Venezuela”.

Logo após a prisão, o casal foi levado a um tribunal federal na cidade de Albuquerque. Caso sejam considerados culpados, eles poderão ser condenados à prisão perpétua.

Governo da Venezuela

Em um comunicado distribuído nesta sexta-feira, o Departamento de Justiça americano esclarece que a acusação “não alega que o governo da Venezuela ou qualquer pessoa agindo em seu nome tenha tentado receber ou recebido qualquer informação confidencial”.

“Também não acusa integrantes do governo da Venezuela ou qualquer pessoa agindo em seu nome de qualquer infração”, diz o texto.

Mascheroni havia trabalhado como funcionário terceirizado para o laboratório nacional de Los Alamos, no Estado do Novo México, de 1979 até 1988. Sua mulher trabalhou no mesmo local de 1981 a 2010.

Segundo o Departamento de Justiça, o casal tinha acesso a informações confidenciais, inclusive a dados relacionados à fabricação e uso de armas atômicas, à produção de material nuclear especial e seu uso na geração de energia.

FBI

A prisão do casal ocorreu depois de uma investigação de mais de dois anos. De acordo com a acusação formal, em 2008 Mascheroni manteve uma série de encontros com um agente do FBI que se fazia passar por um representante do governo da Venezuela.

Nesses encontros, Mascheroni teria dito que poderia ajudar a Venezuela a desenvolver uma bomba nuclear dentro de 10 anos.

O cientista também teria afirmado que, caso seguisse seu programa, a Venezuela poderia usar um reator nuclear secreto para produzir e enriquecer plutônio, além de outro reator para gerar energia nuclear.

“Durante esses encontros, Mascheroni supostamente pediu informações sobre como obter cidadania venezuelana e descreveu como esperava ser pago por seu trabalho confidencial para a Venezuela”, diz o Departamento de Justiça.

Mascheroni teria repassado ao agente do FBI um documento de 132 páginas com dados confidenciais sobre armas nucleares e teria pedido o pagamento de US$ 793 mil (R$ 1,3 milhão).

    Leia tudo sobre: bombaarma atômicavenezuelafbisegredoseua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG