Brown renuncia e líder conservador assume governo britânico

O líder do Partido Conservador britânico, David Cameron, se tornou nesta terça-feira o novo primeiro-ministro da Grã-Bretanha. Cameron, de 43 anos, foi até o Palácio de Buckingham na tarde desta terça-feira onde aceitou formalmente o pedido da rainha Elizabeth 2ª para formar o novo governo.

BBC Brasil |

selo

O partido de Cameron conseguiu o maior número de cadeiras no Parlamento depois das eleições gerais da semana passada e, nos últimos dias, vinha negociando uma coalizão com o terceiro colocado nas eleições, o Partido Liberal Democrata. Ainda não se sabe se os dois partidos chegaram a um acordo formal para a coalizão de governo. Mais cedo, Gordon Brown renunciou ao cargo de primeiro-ministro e à liderança do Partido Trabalhista, segundo colocado nas eleições. Em um discurso em frente ao número 10 de Downing Street (sede do governo britânico), juntamente com sua esposa Sarah, Brown afirmou que sua renúncia tem efeito imediato e saiu logo em seguida, acompanhado da família, para entregar formalmente o pedido de renúncia à rainha. "Informei o secretário particular da rainha que é minha intenção oferecer minha renúncia. Caso a rainha aceite, eu a aconselharei a convidar o líder da oposição para formar o governo." Brown lembrou que, depois das eleições gerais da semana passada, nenhum partido conseguiu a maioria no Parlamento britânico e que, depois disso, prometeu "fazer tudo o que eu podia para garantir a formação de um governo forte e estável, capaz de enfrentar os desafios econômicos e políticos da Grã-Bretanha de forma eficaz". Discurso O discurso de renúncia de Brown incluiu ainda um relato pessoal sobre a experiência de ser primeiro-ministro e votos de boa sorte para o seu sucessor. "Apenas aqueles que já ocuparam o cargo de primeiro-ministro podem compreender totalmente o peso de suas responsabilidades e sua grande capacidade para fazer o bem", afirmou. "Adoro este trabalho, não pelo seu prestígio, seus títulos e cerimonial, os quais eu não gosto de jeito nenhum", acrescentou. "Adorei este trabalho por seu potencial para tornar este país que amo melhor, mais tolerante, mais verde, mais democrático, mais próspero e mais justo." O primeiro-ministro também declarou que sua renúncia como líder do Partido Trabalhista também terá efeito imediato e agradeceu a todos os ministros e parlamentares de seu partido. Carreira Brown passou dez anos no cargo de ministro da Fazenda britânico durante a gestão de Tony Blair como primeiro-ministro e assumiu o cargo de premiê em 2007. Apesar de nenhum dos três principais partidos britânicos - Conservador, Trabalhista e Liberal Democrata - terem conseguido a maioria absoluta no Parlamento nas eleições gerais da semana passada, os conservadores conquistaram o maior número de assentos. Com isso, conservadores, por um lado, e trabalhistas, de outro, tentaram fechar um acordo com os liberais-democratas - terceiro partido mais votado - para formar um novo governo. A renúncia de Brown ocorre no momento em que o partido Liberal Democrata e o partido Conservador estão prestes a fechar um acordo para a formação do novo governo. As tentativas do partido Trabalhista de negociar uma coalizão com os liberais-democratas não tiveram sucesso. Na segunda-feira, Brown havia anunciado que renunciaria à liderança do Partido Trabalhista, mas permaneceria no cargo de primeiro-ministro até setembro, se o partido conseguisse fechar um acordo com os liberais-democratas.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG