Britânica é acusada de sufocar filha com porquinho de pelúcia

Segundo a promotoria, a ré disse à família e amigos que estava com medo de perder a custódia da filha de 3 anos

BBC Brasil |

selo

Uma britânica da região da grande Manchester está sendo julgada, acusada de assassinar a filha ao sufocá-la com um brinquedo de pelúcia. Helen Caudwell, de 42 anos, teria matado Bethany, de 3 anos, em outubro do ano passado. Ela teria tentado cortar os pulsos em seguida.

Funcionária de um supermercado, Helen Caudwell estava se divorciando do marido, Miles Kennerly, quando ocorreu o incidente. A mãe nega as acusações de assassinato.

'Fiz algo estúpido'

Segundo a promotoria, a ré disse à família e amigos que estava com medo de perder a custódia da filha. A promotoria disse ainda que ela levava uma vida dupla e teria dito ao marido e a outro homem, Mark Davies, que ambos eram o pai da criança. Desde a morte foi confirmado que Davies era o pai.

Bethany foi encontrada morta no dia 3 de outubro, depois que Kath Shaw, uma colega de trabalho de Helen Caudwell, ligou para saber por que ela não tinha aparecido para trabalhar. Ela respondeu: "Não vou ter mais trabalho, fiz algo estúpido, sufoquei Beth", disse a promotoria.

A colega correu para o apartamento de Caudwell com o gerente do supermercado onde as duas trabalhavam e encontrou-a com toalhas amarradas em seus pulsos. Ela gritava: "Não podia deixar que ele a levasse", enquanto os dois procuravam a menina pela casa. Bethany foi encontrada morta em um quarto, no andar de cima.

Saliva e sangue

Um porquinho de pelúcia da menina estava ao lado do corpo. No boneco, havia saliva e sangue da menina. Segundo o promotor Ray Wrigglesworth, "este brinquedo foi pressionado sobre o rosto dela, quando ela usava uma chupeta". Segundo ele, a mãe sufocou a filha durante a noite "intencionalmente".

Segundo a promotoria, Helen Caudwell havia dito à própria mãe, naquela noite, que queria se matar. "Mas a promotoria afirma que, depois de matar a própria filha, ela não teve coragem de se matar", disse o promotor.

Um bilhete suicida para o ex-marido foi encontrado no apartamento, dizendo: "Não agüento a ideia de que ele pode ficar com Beth e tornar sua vida miserável, como tornou a minha". "Ele não pode mais nos machucar."

A ré disse à polícia que encontrou a filha morta na cama com ela, e que ela deve ter rolado sobre a menina durante a noite, sufocando-a acidentalmente. Seus advogados de defesa vão argumentar que ela sofreu de uma "anormalidade mental", disse o promotor.

    Leia tudo sobre: grã-bretanhaassassinato

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG