Boca de urna indica vitória da oposição em eleições no México

Ao final de campanha marcada por violência, país registra tem 7 mortes e 50 detenções no dia da eleição

BBC Brasil |

selo

Pesquisas de boca de urna indicam que o principal partido de oposição no México, o Revolucionário Institucional (PRI), venceu as eleições para governador em 10 dos 12 Estados em que o cargo foi disputado no domingo.

O pleito realizado em 14 dos 31 Estados do país elegeu governadores, prefeitos e assembleias regionais - em dois Estados não houve eleição de governador. A jornada eleitoral no domingo foi relativamente calma, depois de uma campanha marcada por violência e intimidação, com dois candidatos assassinados ao longo do processo.

Reuters
Policial monta guarda em local de votação em Matamoros, no Estado de Tamaulipas

Apesar de vencer na maioria dos Estados, o PRI - que governou o México ininterruptamente por quase sete décadas - não obteve a vitória avassaladora que esperava. As pesquisas indicam que a coalizão formada pelo partido do governo, o conservador Ação Nacional (PAN), e seu aliado, o esquerdista Revolução Democrática (PRD), ganhou em dois Estados até então governados pelo PRI.

A eleição foi vista por muitos analistas como um referendo sobre a gestão do presidente Felipe Calderón - do PAN - marcado pelo aumento da violência ligada ao narcotráfico.

O presidente assumiu o poder em 2006 declarando guerra às drogas e enviando milhares de soldados para regiões consideradas violentas. As eleições presidenciais estão marcadas para daqui a dois anos.

Violência

Até agora, cerca de 5 mil mortes foram atribuídas só neste ano à violência relacionada ao narcotráfico, fazendo com que 2010 esteja no caminho de se tornar o ano com mais mortes relacionadas a drogas da década.

O governo reforçou a segurança durante a campanha e para o dia do pleito, a pedido de governos locais. O dia transcorreu calmo, mas houve alguns casos de violência.

Na madrugada de domingo, foram encontrados quatro corpos pendurados em pontes na cidade de Chihuahua. Mais tarde, a polícia encontrou seis corpos cravejados de balas perto de uma estrada do lado de fora da cidade.

Também houve alguns incidentes durante a votação, como casos de intimidação a eleitores e roubo de urnas, mas não foi registrada a violência que muitos temiam.

A polícia prendeu dois homens armados em uma das sedes da campanha da coalizão em Hidalgo, mas segundo a promotoria, o incidente não teve implicações políticas. Trinta e nove pessoas foram detidas na madrugada de domingo, no Estado de Oaxaca, com material explosivo para a fabricação de coquetéis Molotov. Todos os detidos vinham da Cidade do México e estavam hospedados em hotéis.

Segundo o correspondente da BBC no México, Julián Miglierini, a participação dos eleitores será uma boa indicação de até que ponto a violência foi capaz de dissuadir eleitores de comparecer às urnas.

    Leia tudo sobre: méxicoviolênciaeleições

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG