Berlusconi afirma que deixará o poder em 2013

Em jantar com jornalistas, premiê italiano diz que não pretende concorrer à reeleição ao fim de seu mandato

BBC Brasil |

selo

O primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, envolvido em diversos escândalos sexuais e processos na Justiça, afirmou que não irá concorrer à reeleição ao fim de seu mandato, que termina em 2013.

Berlusconi disse nessa quarta-feira, durante um jantar com jornalistas, que pretende completar seu plano de reformar o sistema judiciário italiano, além de mudar a Constituição do país antes de deixar o poder.

AFP
Berlusconi participa de coletiva de imprensa em Roma (13/04)

Segundo o correspondente da BBC em Roma David Willey, que estava no jantar, o premiê também desmentiu os rumores de que possa concorrer à Presidência em 2013. Ele afirmou que um possível postulante ao cargo é seu chefe de gabinete, Gianni Letta.

O premiê indicou ainda que o seu ministro da Justiça, Angelo Alfano, pode se tornar líder do seu Partido da Liberdade - embora não tenha descartado assumir algum cargo mais simbólico, como de conselheiro político das coalizões de centro-direita.

Nova lei

No mesmo dia em que Berlusconi se reuniu com os jornalistas, a Câmara dos Deputados italiana aprovou um projeto de lei que diminui o tempo de prescrição dos processos judiciais.

A oposição considera que a lei foi feita sob medida para o primeiro-ministro, já que ela deverá praticamente encerrar um julgamento no qual Berlusconi é acusado de subornar o advogado britânico David Mills, para que mentisse em frente a um juiz. Mills foi condenado em 2009, mas a decisão foi revertida quando o mais alto tribunal criminal italiano afirmou que o caso havia prescrito.

A nova lei, que encurta o período de prescrição nos casos em que os réus não têm antecedentes criminais, foi aprovada por 314 votos contra 296, mas ainda deve passar pela votação do Senado, onde Berlusconi conta com uma ampla maioria.

O primeiro-ministro diz que nunca fez nada de errado, afirmando ser vítima de uma longa campanha contra ele conduzida por juízes de esquerda.

'Rubygate'

Além de casos de corrupção, Berlusconi também está envolvido em escândalos sexuais. Um dos casos é conhecido como "Rubygate", no qual ele é acusado de abuso de poder e por pagar por sexo com a dançarina marroquina Karima El Mahroug, conhecida como "Ruby", quando ela era menor de idade.

Nessa quarta-feira, jornais italianos divulgaram trechos de depoimentos de duas testemunhas que afirmam ter participado de festas eróticas chamadas de "bunga-bunga", que seriam promovidas pelo primeiro-ministro em sua casa, em Milão.

Berlusconi, de 74 anos, tornou-se primeiro-ministro pela primeira vez em 1994. Ele tem uma fortuna estimada em US$ 9 bilhões (R$ 14 bilhões) e é dono de um império empresarial que inclui três das maiores redes de televisão italianas.

    Leia tudo sobre: berlusconiitáliacaso rubyescândalo sexual

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG