BC decide juros em meio a debate sobre 'superaquecimento' econômico

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central define, nesta quarta-feira, a taxa básica de juros, a Selic. A reunião ocorre em meio a estimativas de mercado de que a economia brasileira estaria "superaquecida", o que exigiria uma nova rodada de elevação dos juros.

BBC Brasil |

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central define, nesta quarta-feira, a taxa básica de juros, a Selic. A reunião ocorre em meio a estimativas de mercado de que a economia brasileira estaria "superaquecida", o que exigiria uma nova rodada de elevação dos juros. A maioria dos analistas consultados pelo BC na pesquisa Focus aposta em um aumento de 0,5 ponto percentual nos juros, elevando a Selic para 9,25% ao ano. Muitos economistas, no entanto, já falam em um aumento de 0,75 ponto percentual. O principal argumento para um maior aperto monetário é a inflação. As previsões de aumento da inflação vem sendo revistas para cima a cada semana e já ultrapassam o centro da meta do governo, que é de 4,5%. O Focus desta segunda-feira prevê, para este ano, uma alta de 5,41% do IPCA - o índice de inflação que baliza as decisões do governo. 'Superaquecimento' Em seu relatório anual, divulgado na semana passada, o Fundo Monetário Internacional (FMI) alerta para o risco de "superaquecimento econômico" no Brasil, resultado de um consumo interno mais forte do que a produção no país. De acordo com essa avaliação, o Produto Interno Bruto do país entrou em um ritmo de crescimento que supera sua capacidade produtiva, resultando em uma inflação maior. Na semana passada, o FMI revisou para cima a expansão do PIB brasileiro em 0,8 ponto percentual: a previsão agora é de um crescimento de 5,8% em 2010. Entre os analistas consultados pela pesquisa Focus, do Banco Central, o otimismo é ainda maior. A maioria prevê uma expansão de 6% para o PIB deste ano. O governo, no entanto, rebate a tese de que a economia brasileira esteja crescendo rápido demais. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse na semana passada que a economia está "aquecida, e não superaquecida". "Não há ainda sinais concretos. É preciso esperar com paciência os resultados de abril, de maio, de junho, da produção, para ver", disse. Inflação As expectativas de inflação para esse ano vêm aumentando a cada semana, de acordo com o levantamento Focus, do Banco Central. A maioria dos analistas aposta em uma alta de 5,41% do IPCA para este ano - acima do centro da meta do governo, que é de 4,5%, mas ainda abaixo do teto, de 6,5%. Uma das dúvidas entre os economistas é o quanto dessa inflação pode ser considerada temporária, ou seja, reflexo de aumentos pontuais nos preços de alguns bens e serviços, e não de um descompasso entre consumo e produção, o que seria mais preocupante. Entre os setores que mais têm puxado a inflação para cima está o de alimentos. Diversos itens, como frutas e hortaliças, vêm subindo de preço. A avaliação do IBGE é de que as chuvas do início de ano são a principal causa dessa alta, mas que o "aumento da demanda" também ajudou. O economista-chefe da BES Investimentos, Jankiel Santos, diz que é preciso "ancorar" os aumentos de preços nesse momento, com uma alta de de juros. Mas segundo ele, a inflação "não está em um nível preocupante". "Imaginar que essa dinâmica (de aumento de preços) será perversa durante todo o ano, não me parece ser o caso", diz. Contas externas Se por um lado o aumento da taxa de juros é visto como o principal instrumento de controle da inflação, a medida também tem seus efeitos colaterais. Um deles é a valorização do real diante do dólar. Uma Selic mais alta tende a atrair o capital estrangeiro, o que representa mais dólares no país - e em consequência, uma cotação menor para a moeda americana na comparação com o real. O câmbio valorizado costuma reduzir a competitividade do produto nacional no exterior, prejudicando as exportações e o saldo da balança comercial, um problema que já estaria em curso, segundo economistas. De acordo com o Banco Central, o déficit das contas externas do país chegou a US$ 12,1 bilhões no primeiro trimestre do ano, o pior resultado para o período desde 1947. O economista Yoshiaki Nakano, da FGV-SP, diz que o aumento da Selic vai "piorar" esse cenário - e que a saída é estimular a produção, com incentivos fiscais, e não coibir o consumo. "Vamos continuar cometendo os mesmos erros do passado, acionando instrumentos errados de política econômica", avalia o professor, em seu site. Questionado sobre o problema durante uma coletiva de imprensa em Washington, o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, disse que o assunto "requer atenção", mas que o déficit em conta corrente "tende a se ajustar" ao longo do tempo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG