Após polêmica, mostra com Jesus gay é cancelada na Espanha

A exposição de uma polêmica releitura da vida de Jesus Cristo, que inclui cenas de homossexualismo, prostituição e forte conteúdo sexual, teve de sair de cartaz na Espanha após levantar a ira de grupos católicos. A série Circus Christi foi descrita pelo seu autor, o fotógrafo Fernando Bayona, como uma visão atualizada da vida de Jesus pelo filtro da sociedade atual, nas quais os personagens vivem vidas paralelas às narradas nos textos bíblicos.

BBC Brasil |

Em uma das 13 fotografias, o dolorido nascimento de Jesus se dá em um precário ambiente caseiro. A sua pregação é simbolizada por um show de rock.

E talvez o mais polêmico retrato seja o Beijo de Judas, no qual dois modelos masculinos, um com a camisa aberta no peito, trocam carícias. A foto empresta uma estética amplamente utilizada na publicidade.

Grupos católicos espanhóis qualificaram a mostra de "blasfêmia" e disseram que o "escárnio" do artista "fere o sentimento dos cristãos".

Segurança
Segundo a imprensa espanhola, apenas 38 pessoas tiveram a chance de ver a exposição, que ficaria em cartaz até o dia 5 de março na Universidade de Granada, na sul andaluz da Espanha.

Por causa dos protestos de grupos católicos e a polêmica criada na imprensa e na sociedade local, a universidade decidiu suspender a exibição alegando que não poderia garantir a segurança no local.

Ouvido pelo jornal "El Mundo", o artista, que declinou pedidos de entrevista da BBC Brasil, disse que ficou "surpreendido" com a reação gerada pela exposição e garantiu que a polêmica não lhe beneficia.

"Há muita gente que está falando de ouvir dizer, porque nem sequer houve tempo suficiente de todas as pessoas que estão opinando terem visitado a exposição", afirmou, ao jornal.

Bayona disse que a decisão de encerrar a mostra foi de mútuo acordo entre ele e a universidade, "para não colocar ninguém em perigo".

Em um comunicado, a Universidade de Granada lamentou que "um elevado número de pessoas" tenha se sentido ofendido e garantiu que o trabalho não foi patrocinado "através de bolsa de estudo ou qualquer outra forma".

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG