Após 30 dias, termina estado de exceção no Paraguai

Medida foi tomada para combater grupo guerrilheiro apontado pelo governo como responsável por sequestros e assassinatos no país

BBC Brasil |

selo

Após trinta dias em vigor, terminou nesta segunda-feira o estado de exceção declarado pelo presidente do Paraguai, Fernando Lugo, em cinco departamentos (Estados) do norte do país.

O estado de exceção foi pedido por Lugo ao Congresso Nacional para combater o grupo guerrilheiro Exército do Povo Paraguaio (EPP), apontado pelo governo como responsável por sequestros, assassinatos e possíveis vínculos com o grupo guerrilheiro colombiano Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia).

Durante um mês, três mil soldados da Polícia Militar e das Forças Armadas estiveram mobilizados nos departamentos de San Pedro, Concepción, Amambay, Alto Paraguay e Presidente Hayes.

O estado de excessão termina, entretanto, sem que a prisão de algum membro do grupo tenha sido anunciada.

Críticas

De acordo com o jornal ABCColor, os automóveis usados pelas tropas já não tinham combustível para as operações naquela região.

O ministro do Interior, Rafael Filizzola, disse que as ações dos soldados tiveram “resultados positivos”, “com a aprovação da população”.

Mas Filizzola afirmou também que “seria difícil e desnecessário manter o estado de exceção por mais tempo”.

A expectativa é que o governo apresente um balanço do período nesta terça-feira, enviando um documento detalhado ao Congresso.

O deputado do opositor Partido Pátria Querida (PPQ), Carlos María Soler, disse à imprensa local que o estado de exceção foi “um fracasso” porque o grupo armado não foi capturado.

Já a deputada da base governista Desiree Masi afirmou que trinta dias, como determinou o Parlamento, era um prazo menor do que propôs o governo, o que teria dificultado a meta da operação.

“Mas existe um consenso no governo de não se pedir a prorrogação da medida (estado de exceção). E estamos analisando como os militares podem continuar apoiando os trabalhos (de segurança) na região”, disse ela.

    Leia tudo sobre: ParaguaiEPPFarc

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG