Análise: Chegou a hora de negociar na Grã-Bretanha. Mas quem deve fazê-lo?

Em 1974, após uma eleição na qual ninguém conquistou uma maioria no Parlamento, o então primeiro-ministro britânico Ted Heath, do Partido Conservador, perguntou: "Quem governa a Grã-Bretanha". A pergunta faz sentido nesta sexta-feira, um dia depois das eleições gerais no país.

BBC Brasil |

selo

A primeira decisão veio do primeiro-ministro, Gordon Brown. Apesar de perder vagas no Parlamento e do segundo lugar, ele decidiu não renunciar ao cargo. Tendo inicialmente aberto o caminho para dar início às negociações entre partidos, aceitando dialogar com conservadores e liberais-democratas, ele também mandou um recado para o liberal-democrata Nick Clegg. Mesmo respeitando a decisão de Clegg de falar primeiro com David Cameron, o primeiro-ministro deixou sua porta aberta para negociações, falando sobre os pontos comuns nas plataformas dos trabalhistas e liberais-democratas. É claro que se Brown tivesse renunciado, o conservador David Cameron teria ido direto ao palácio de Buckingham para receber o cargo da rainha Elizabeth 2ª e começado a governar com minoria no Parlamento. Os auxiliares de Brown e seus ministros estão deixando claro que algum tipo de acordo com os liberais-democratas é possível, uma espécie de "aliança progressista" anticonservadores, com um compromisso de reformar as leis eleitorais. Agora quem precisa dar o próximo passo é Nick Clegg. Ele diz que manterá sua promessa de campanha de permitir que o partido com o maior número de vagas no Parlamento - neste caso os Conservadores - tenha o direito de tentar formar um governo. Ele diz: "É agora a vez de o Partido Conservador provar que é capaz de tentar governar pensando no interesse nacional". Em outras palavras, ele estaria perguntando: "O que você está oferecendo, David Cameron?" Clegg não está dizendo que nunca negociará com os trabalhistas, mas apenas que conversará primeiro com os conservadores. Ele ouvirá o que Cameron tem para oferecer e levará isso ao seu partido no sábado. Ele não terá pressa. Os liberais-democratas não vão querer discutir nada com os Conservadores se a proposta de mudar a representação política não estiver na mesa. É importante lembrar que Clegg precisa negociar tudo com seu partido, e não pode fazer nada sozinho. Legitimidade David Cameron falou nesta sexta-feira sobre algumas políticas comuns entre os dois partidos - ambos, por exemplo, querem um bônus para apoiar na educação de crianças com problemas. Mas o líder conservador terá que ter cuidado ao negociar sobre a mudança no sistema de representação política. Muitos parlamentares conservadores são contra qualquer negociação deste tipo. Por isso, Cameron cautelosamente propôs "um comitê com todos os partidos para analisar uma reforma eleitoral e política". Até falar sobre esse tipo de reforma pode ser demais para alguns conservadores. Um dos políticos conservadores disse: "A oferta do partido de representação política proporcional chegou apenas em terceiro lugar nesta eleição. Por que deveríamos concordar com algo que os eleitores rejeitaram?" Alguns conservadores poderiam, no entanto, tolerar um mandato fixo para os parlamentares, outra proposta liberal-democrata. Mas como Cameron disse nesta sexta-feira, os dois partidos discordam profundamente sobre assuntos como aproximação com a União Europeia e defesa. Se os liberais-democratas e conservadores fecharem um acordo, Brown teria que renunciar. Ele saberia que em poucas semanas ele não comandaria com confiança a Casa dos Comuns. Mas se não houver acordo, os liberais-democratas e trabalhistas negociariam entre si. Qualquer acordo com liberais-democratas depende totalmente de legitimidade. Como eles poderiam vender um governo para os eleitores que seria visto como uma coalizão dos perdedores? Eles poderiam argumentar que uma coalizão de ambos formaria uma maioria anticonservadores e que isso seria suficiente para legitimar o acordo. Mas para alguns, esse argumento é difícil de ser aceito. Como disse o meu taxista hoje pela manhã: "Então os conservadores ganharam mais votos e mais vagas. Por que eles não ganharam?"

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG