Filtros de água da central de Torness, na Escócia, foram obstruídos por grande quantidade da espécie marinha

selo

Autoridades britânicas tiveram de desligar os reatores da central nuclear de Torness, na Escócia, após detectarem uma invasão de águas-vivas no local.

A central tem um sistema de refrigeração de reatores movido a gás, mas que também usa água do mar. Na última terça-feira, técnicos detectaram uma grande quantidade da espécie marinha obstruindo os filtros de água, apesar da existência de um sistema de obstrução à entrada de peixes e outros animais.

Barco pesqueiro recolhe águas-vivas perto de usina nuclear na Escócia
Reuters
Barco pesqueiro recolhe águas-vivas perto de usina nuclear na Escócia

Por precaução, os administradores da usina resolveram desligar os reatores e fazer um serviço de limpeza e manutenção em toda a central, que deve voltar à ativa na próxima semana.

Perigo

Um porta-voz da EDF Energy, empresa que administra a usina, disse à BBC que a invasão das águas-vivas "não traz nenhum perigo para o público" e que "não haverá nenhum impacto ao meio ambiente".

Os biólogos ainda não sabem explicar a razão da proliferação de águas-vivas na costa da Escócia. Um possível aumento na temperatura do Mar do Norte, no entanto, pode ter levado um grande número da espécie para a região.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.