Agência europeia critica República Checa por teste para gays

País nega asilo a imigrantes que se dizem homossexuais, mas, em teste, ficam excitados com pornografia hétero

BBC Brasil |

selo

A agência de direitos humanos da União Europeia criticou autoridades da República Checa por empregar um método polêmico para testar se homossexuais que pedem asilo ao país não mentem sobre sua orientação sexual.

Em relatório, a Agência de Direitos Fundamentais condenou o país pela prática batizada de "teste falométrico", usada com imigrantes gays que pedem asilo alegando serem perseguidos em suas nações por causa de sua sexualidade.

No teste, só aplicado a homens, uma máquina mede o fluxo sanguíneo no pênis do imigrante enquanto ele é submetido a sessões de pornografia heterossexual. Os que ficam excitados têm o pedido de asilo negado.

A agência europeia diz que o método é degradante e que viola a legislação de direitos humanos da União Europeia. O Ministério do Interior tcheco rebateu as críticas. Em comunicado, o órgão afirma que o teste, inventado na antiga Tchecoslováquia, foi aplicado menos de dez vezes, sempre sob a supervisão de especialistas e com o consenso dos participantes.

A prática veio à tona após um tribunal na Alemanha se recusar a deportar para a República Checa um homem iraniano que pedira asilo, alegando que, por ser gay, ele seria submetido ao teste no país. O comissário de direitos humanos do governo tcheco qualificou o método de "indigno".

    Leia tudo sobre: república checaunião europeiahomossexuais

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG