Absolvição de mãe acusada de matar filha de 2 anos gera comoção nos EUA

Americanos discutiram veredicto para Casey Anthony nas rede sociais e apresentadores de TV choraram ao comentar a notícia

BBC Brasil |

selo

A absolvição da americana Casey Anthony, 25 anos, da acusação de assassinar a filha Caylee, 2 anos, provocou uma verdadeira comoção nos Estados Unidos, expressa em programas de TV e em redes sociais na internet.

O julgamento foi acompanhado passo a passo pelos americanos ao longo das últimas seis semanas, em um dos casos policiais de maior repercussão no país nos últimos anos. Muitos analistas chegaram a comparar o júri que inocentou Anthony ao do caso do jogador de futebol americano O.J. Simpson, absolvido da acusação de matar a mulher em 1995.

AP
Menino de sete anos segura cartaz pedindo

Em vários programas de TV, apresentadores discutiram o veredicto do caso Anthony. Uma apresentadora de um programa popular da TV a cabo afirmou que respeitava a decisão do júri, mas que achava que "o diabo está comemorando". Dois apresentadores da rede CBS choraram no ar.

Vários termos ligados ao julgamento de Anthony estiveram ao longo desta semana entre os principais tópicos de mensagens postadas no Twitter. No Facebook, grupos discutiam o veredicto.

Filas no tribunal

Durante o julgamento, longas filas se formavam diariamente em frente ao tribunal em Orlando por pessoas que disputavam ferozmente os ingressos para assistir aos depoimentos. Após o anúncio do veredicto, os advogados de defesa de Casey Anthony criticaram duramente a cobertura do caso pela imprensa americana, afirmando que ela havia condenado sua cliente antes mesmo da decisão judicial.

Anthony foi inocentada por um júri popular na Flórida da acusação de ter sufocado Caylee em 2008 com fita adesiva sobre sua boca e seu nariz. Ela também era acusada de ter jogado o seu corpo em decomposição em um bosque perto de sua casa, em Orlando, após circular por vários dias com ele no bagageiro de seu carro.

A mãe somente comunicou o desaparecimento da filha à polícia após um mês. Primeiro, alegou que a criança tinha sido sequestrada pela babá; depois, durante o julgamento, disse que a menina tinha se afogado acidentalmente em uma piscina.

Festas e tatuagem

Os promotores também alegaram que, durante o período em que Caylee já estava desaparecida, o comportamento de Anthony foi incompatível com o de uma mãe preocupada com a filha - ela teria frequentado festas e feito uma tatuagem com os dizeres "Bella Vita" (vida bela).

A tese da defesa era de que Caylee teria morrido afogada por acidente na piscina da casa dos avós e que Casey Anthony e seu pai, George Anthony, teriam entrado em pânico e escondido o corpo por medo da polícia. O avô da menina negou essa versão.

A autópsia do corpo de Caylee não conseguiu chegar a uma conclusão sobre as causas de sua morte. Este seria, segundo analistas, um dos principais motivos para a absolvição. Se Anthony fosse considerada culpada de assassinato, poderia ser condenada à pena de morte.

Ela acabou sendo considerada culpada apenas de mentir à polícia durante as investigações. A sentença deverá ser anunciada na quinta-feira, mas Anthony possivelmente será libertada por já ter passado quase três anos presa.

AP
Americana Casey Anthony segura mão de seu advogado, Jose Baez, ao ouvir veredicto em corte de Orlando, Flórida (05/07)
'Novela'

O julgamento de Anthony Casey também levou especialistas a discutirem por que o caso ganhou tanta atenção do público americano. Para Robert Thompson, professor de cultura popular da Universidade Syracuse, de Nova York, o fato não é surpreendente. "Você tem essa história incrivelmente trágica de uma criança morta, que não poderia ser mais dramática", disse ele à BBC.

Ele comenta ainda que alguns detalhes tornaram o caso ainda mais incomum, como os 31 dias que se passaram até que Anthony relatasse o desaparecimento da filha e personagens fictícios que ela criou durante seus depoimentos, como a suposta babá e um namorado rico que seria o pai da filha.

"Havia essa mulher bonita contando histórias que pareciam não se encaixar. Se alguém estivesse escrevendo o caso como uma história de crime de ficção, ninguém acreditaria", comentou Thompson.

Para ele, coberturas de casos como esse criam um efeito dominó. "Quanto mais detalhes as pessoas recebem, mais elas querem. Os espectadores são atraídos como em uma novela de TV", disse.

O jornalista Eric Deggans, do jornal "St Petersburg Times", da Flórida, tem uma visão parecida. "É uma novela da vida real, tem todos os ingredientes que você poderia esperar de um episódio de 'L.A. Law' ou de 'Law and Order' acontecendo na vida real", disse.

Mãe e filha

Para Robin Simon, professora de sociologia da Universidade Wake Forest, na Carolina do Norte, uma das razões para o interesse na história é o fato de ela contrariar a noção que a sociedade tem sobre a ligação que uma mãe deve ter com seus filhos. "A atenção que foi gerada com a mídia não seria tão significativa se fosse um pai assassinando seu filho", disse.

Para ela, o caso é um triste reflexo da sociedade americana moderna. "Um jornalista estava entrevistando as pessoas na fila para o tribunal. Uma mulher disse: 'Não posso esperar para ver. É o melhor reality show'", contou. "A mulher então riu. Ela nem percebeu que era um caso real com pessoas reais. É nojento", disse.

Para Thompson, por maior que tenha sido o interesse sobre o caso nas últimas semanas, ele vai logo se dissipar. "O interesse vai embora e esperamos pelo próximo caso. Os noticiários diários na TV a cabo precisam desse tipo de coisas, então, podemos esperar pelo próximo julgamento do século daqui a 13 meses", diz.

    Leia tudo sobre: casey anthonycrimejustiçaeuajulgamento

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG