Coberta por lava, aldeia no México virou cápsula do tempo de civilizações

Por BBC -Alberto Nájar |

compartilhe

Tamanho do texto

A aldeia tempo se encontra ao sul da capital mexicana, na zona de Cuicuilco, uma das primeiras áreas de pesquisa arqueológica do país

BBC

Aldeia antiga no México está encoberta por seis metros de lava
INAH
Aldeia antiga no México está encoberta por seis metros de lava

Ela é chamada de "cápsula do tempo".

Trata-se de uma aldeia pré-hispânica que foi coberta por lava há mais de mil anos e que se encontra dentro de uma das capitais mais populosas do mundo, a Cidade do México.

LEIA MAIS: Esqueleto intacto de 2,3 mil anos encontrado em tumba intriga a Grécia

Arqueólogos acreditam que neste lugar há informações valiosas sobre o desenvolvimento da região no período compreendido entre os anos 1.200 e 400 a.C..

Foi ali que se estabeleceram algumas das principais sociedades antigas do continente americano, como os astecas.

Primeiras escavações ocorreram no início do século 20
INAH
Primeiras escavações ocorreram no início do século 20

Viagem no tempo
A aldeia tempo se encontra ao sul da capital mexicana, na zona de Cuicuilco, uma das primeiras áreas de pesquisa arqueológica do país.

Os vestígios localizados até agora revelam que estes povos conviviam com a atividade do vulcão Xitle, um dos cinco desta área.

Mas uma súbita erupção, que pode ter ocorrido entre 627 e 630 a.C., os obrigou a fugir.

Ao fazer isso, deixaram para trás seus pertences, que, ao serem cobertos por lava, foram conservados por séculos.

Por isso, a aldeia é considerada por cientistas como uma cápsula do tempo.

Indícios de civilização
Os primeiros objetos foram encontrados entre 1917 e 1924, quando foram escavados quatro túneis para localizar a aldeia sob seis metros de rocha vulcânica.

No entanto, este trabalho foi abandonado por décadas, até ser retomado recentemente pelo Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH) do México.

Túneis dão acesso à antiga aldeia, onde foram encontrados diversos objetos
INAH

Na nova investigação, foi encontrada o que poderia ser a fundação de uma casa.

Também foram achados pedaços de cerâmicas, estatuetas e facas de pedra que ainda conservam seu fio.

O fato de as facas ainda serem cortantes pode indicar, por exemplo, que elas eram mais usadas para rituais do que como instrumento de caça.

É um achado valioso, segundo arqueólogos, porque estes itens trazem indicações de como era a vida cotidiana dos primeiros povos da América.

Leia tudo sobre: méxicoaldeiralavacivilizaçõesaméricainah

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas